Empresa brasileira se prepara para IPO de dupla listagem na Nasdaq e B3

Avatar

Por Isabella Câmara

19 de setembro de 2018 às 15:47 - Atualizado há 2 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

A Neoway, uma empresa de tecnologia que utiliza BigData para descobrir oportunidades de mercado e tornar análises mais intuitivas e decisões mais seguras, começou a selecionar bancos e se preparar para uma oferta de ações no próximo ano. Após 16 anos de sua fundação, de acordo com o Jornal Valor Econômico, a empresa já estaria conversando com três grandes bancos – Morgan Stanley, Goldman Sachs e Brasil Plural.

Inicialmente, segundo a empresa, a oferta seria feita apenas na Nasdaq. Mas Jaime de Paula, fundador e presidente da companhia, afirma ter preferência por uma dupla listagem na bolsa americana e na B3. “A maior parte da receita é em reais e o restante, em dólar, então tem um risco de câmbio quando o investidor avaliar lá fora”, disse.

Apesar do desejo da empresa, na avaliação de preço atual, a companhia ainda não seria grande o suficiente para o segmento principal da B3. De acordo com o fundador da Neoway, isso também está prestes a mudar – a B3 estaria começando a pensar em alguma forma para se tornar mais atrativa frente a empresas brasileiras de tecnologia, dado que grande parte delas acaba participando do mercado americano.

Enquanto isso, na Nasdaq, além de atrair mais investidores de tecnologia, um fator essencial para a empresa, a bolsa também tem normas mais flexíveis para as empresas brasileiras que desejam fazer um IPO. Mesmo com os obstáculos, Jaime de Paula não nega a possibilidade de uma dupla listagem e ainda afirma que a empresa está participando de “conversas bem evoluídas com a B3 e a Nasdaq para encontrar o melhor caminho”.

De acordo com fundador e presidente da companhia, a meta da Neoway é estar listada até março de 2020, mas acredita que esse objetivo possa ser antecipado para o fim do próximo ano. Tudo isso, segundo Jaime de Paula, é decorrente do rápido crescimento da empresa, que se expande 50% ao ano, e suas aquisições recentes. A Neoway já recebeu aportes de fundos como Temasek, Pollux, PointBreak, Monashess e Endeavour Catalyst.