Empresa aposta em farinha de grilo para ganhar dinheiro

Avatar

Por Juliana Américo

22 de abril de 2015 às 15:43 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – Você sabia que os insetos comestíveis, como besouros, gafanhotos e formigas, podem ser uma solução contra a fome no mundo, além de serem uma ótima fonte de proteína?

É com esse discurso que a empresa Bitty Foods quer lucrar com cookies feitos de farinha de gafanhoto. A ideia surgiu em 2012, quando a fundadora Megan Miller fez uma viagem pelo Sudeste Asiático e teve a oportunidade de experimentar iguarias com insetos.

No StartSe você encontra investidores, mentores e aceleradoras para a sua startup! Acesse www.startse.com.br. É rápido e gratuito.

Ao voltar para San Francisco, na Califórnia, ela começou a fazer experiências na cozinha. Junto com a amiga Leslie Ziegler, comprou uns grilos já mortos e tentou fazer uma farinha jogando todos eles no liquidificador. Para conseguir produzir uma boa matéria-prima elas também contaram com a ajuda de engenheiros de alimentos e o chef Tyler Florence.

A Bitty Foods também vende o pacote de farinha para que empresas ou cozinheiros amadores usem em suas próprias receitas.

De acordo com o site Epicurious, os fundadores acreditam que podem conseguir convencer as pessoas a comerem grilos. “As pessoas não costumam procurar saber como é a produção de carne. Esperamos que o mesmo aconteça com os insetos”, afirma Megan.

Além disso, ela lembra que apesar de 80% dos países comerem insetos, muita gente associa esse hábito à pobreza. Estimativas da ONU afirmam que serão 9 bilhões de pessoas no planeta em 2050.“Vamos chegar a um momento em que não será nem possível que todos comam carne”, afirma. “É melhor introduzir a proteína dos insetos na nossa dieta agora que não precisamos para não termos problema no futuro”.

A empresa investe nas redes sociais como marketing e de demonstrações para convencer as pessoas de que o gosto do cookie de grilo é tão bom quanto o feito com farinha comum.