Empreendedores criam primeira tecnologia de pagamento vestível brasileira

Avatar

Por Paula Zogbi

17 de Maio de 2016 às 12:03 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

SÃO PAULO – As fintechs e tecnologias de pagamento cada vez mais ganham espaço mundialmente, e o Brasil não fica para trás. Agora, um grupo de jovens empreendedores decidiu explorar também o universo das tecnologias “vestíveis”, criando uma “band” de pagamentos: a Atar Band.

Com vendas a partir do dia 18 de maio, a tecnologia consiste em uma pulseira à prova d’água e sem necessidade de bateria, que realiza pagamentos por meio da tecnologia NFC – transmitindo dados por meio de aproximação. Sem tirar a carteira do bolso, o usuário só precisa aproximar o pulso da máquina de pagamento e inserir a senha.

Por enquanto, o produto funciona como um cartão de débito: o usuário gera um boleto com o valor que pretende disponibilizar no wearable e libera o crédito imediatamente. “Por meio do aplicativo da ATAR, o usuário leva apenas um minuto e meio para colocar carga na ATAR band via internet banking”, diz a startup.

Há planos de integrar novas formas de creditar a pulseira no futuro, como transferência bancária e cartões de débito e crédito.

Assim que é realizado um pagamento usando o gadget, o usuário recebe uma notificação por meio do app, para que haja maior controle a respeito dos gastos. Em caso de problemas, a função de bloqueio também pode ser feita à distância pelo software.

Aceita em qualquer máquina que tenha a tecnologia NFC, 85% das que existem no mercado, a tecnologia já recebeu aportes de R$ 1 milhão e ganhou oito prêmios como reconhecimento pela inovação e alto potencial de crescimento.