Em Tempos de Crise: como a Inteligência Artificial Pode Ajudar o Seu Negócio?

Avatar

Por Gabriel de Oliveira Cordeiro

27 de março de 2020 às 12:17 - Atualizado há 8 meses

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Inteligência Artificial é uma das mais fascinantes ciências da atualidade.

Ela está por trás de todos os impactos e transformações que indivíduos, carreiras, negócios, governos e nações estão enfrentando. 

Por isso, é crucial aprender a identificar as oportunidades criadas com este novo cenário. Assim, nos colocamos em posição privilegiada para atuar neste novo ciclo. 

Para falar com maior propriedade sobre este assunto, trouxemos Cristiano Oliveira, fundador da fintech Olivia e referência em Inteligência Artificial. 

O que é Inteligência Artificial 

Antes de tudo, é importante entender que I.A (talvez não com este nome) sempre permeou a história da humanidade.

Muito antes de termos nos deslumbrado com filmes como “Eu, Robô” ou “O Exterminador do Futuro”. Vamos voltar um pouco à mitologia grega…

Talvez você se lembre de Hefesto, que era o deus do fogo, dos metais e da metalurgia na mitologia grega. 

Um dia, Zeus, seu pai, pediu para que Hefesto protegesse a Ilha de Creta, custe o que custar. 

Hefesto, extremamente inteligente, encontrou uma solução eficaz que lhe pouparia muito esforço: basicamente, construiu um robô para fazer este trabalho por ele.

O primeiro humanoide com autonomia da história: Talos, uma gigante criatura feita de bronze, com o único intuito de proteger a ilha. 

Você conhecia essa história? Pois é, desde a mitologia grega, os autômatos já eram assunto. 

Agora, qual a diferença entre a inteligência humana e a inteligência das máquinas? 

De maneira simples:

A inteligência humana envolve a habilidade de raciocinar, planejar, resolver problemas, pensar de forma abstrata, compreender ideias complexas, aprender rápido e aprender com a experiência. 

Já a inteligência da máquina é apenas uma sequência de instruções. Eles não possuem capacidade de se adaptar. Por meio de códigos, falamos para eles exatamente o que devem fazer. 

Enquanto isso, a Inteligência Artificial está exatamente no meio desses dois extremos. 

É a junção da capacidade de interpretar códigos e instruções pré-definidas e, ao mesmo tempo, interpretar e aprender com os dados por meio do que chamamos de machine learning. 

O que vemos nos filmes sobre Inteligência Artificial pode se tornar realidade um dia?

Sim, há chances. 

Foi feito um estudo com os 100 maiores especialistas de I.A do mundo para responder a essa pergunta. 

O resultado foi que, por volta do ano 2099, existirá uma chance de 50% disso acontecer. 

A esse fenômeno, damos o nome de Inteligência Artificial Geral. 

Para que isso seja possível, 4 fatores seriam necessários:

  1. Os robôs teriam que ser capazes de realizar qualquer tarefa que um humano é capaz de fazer
  2. Eles teriam habilidades cognitivas, que é a única coisa que nos difere dos animais hoje. 
  3. Eles teriam consciência, assim como nós. 
  4. Eles passariam no Teste de Turing – uma prova que testa a capacidade de uma máquina exibir comportamento inteligente equivalente a um ser humano, ou indistinguível deste.

Hype ou realidade?

Não pense que a Inteligência Artificial em si é algo distante da sua realidade. 

Apesar da maneira como os filmes e a ficção científica nos fazem enxergar a Inteligência Artificial, a verdade é que você tem contato com aplicações de I.A todos os dias:

Quando você abre o Netflix e vê todas aquelas recomendações de filmes baseados no que você assiste: isso é inteligência artificial aplicada. 

Quando você pede um Uber Eats e te passam toda a rota e tempo de entrega também. 

E assim vai, até quando você abre o feed do seu Instagram! 

Deveríamos nos preocupar em ser substituídos?

Um pouco. De fato, vamos ter que nos reinventar. 

No entanto, isso não é motivo para pânico, pois na história da humanidade, já passamos por isso diversas vezes: 

Na 1ª e 2ª revolução industrial, na revolução digital e, com o avanço da inteligência artificial, passaríamos por uma quarta onda de mudanças onde precisaríamos aprender novas habilidades. 

Como as empresas podem usar I.A para se beneficiarem

Hoje, o recurso mais valioso do planeta não é óleo: são dados. 

Prova disso é que as empresas mais valiosas do mundo são as que possuem mais dados:  Apple, Microsoft, Google, etc. 

E apesar de cada aplicação ter sua especificidade, de maneira geral, a aplicação de inteligência artificial permite:

  • Identificar melhores oportunidades de negócios
  • Incrementar o faturamento por meio de uma melhor experiência proporcionada ao cliente
  • Reduzir custos e prejuízos automatizando processos
  • Facilitar a vida das pessoas com software baseados em IA. 

Principalmente os que utilizam Machine Learning, pois serão capazes de levantar, organizar e cruzar um grande volume de informações de maneira rápida, gerando previsões que potencializam a capacidade dos gestores de tomarem decisões melhores.

Um exemplo prático de como a IA pode melhorar o resultado de uma empresa:

O varejo é um dos mercados que mais tem benefícios a colher com a aplicação de inteligência artificial. 

Uma rede de lojas espalhadas pelo Brasil mudou o processo de análise de concessão de crédito antigo por um sistema de IA e o resultados foram incríveis:

O método anterior demandava muito tempo de espera dos clientes que solicitavam o cartão de crédito da empresa. 

Com a nova aplicação, a avaliação para checar se o cliente estava apto a ter o cartão de crédito ganhou agilidade:

O tempo de emissão do cartão dentro da loja foi reduzido de 25 para 3 minutos.

Outra vantagem é que, com o conjunto de informações fornecidas e armazenadas pela ferramenta, foi possível checar a capacidade de um cliente honrar o financiamento solicitado, mesmo estando negativado. 

Assim, os clientes passaram a comprar mais com a emissão imediata do cartão, o que aumentou o faturamento da empresa consideravelmente. 

Gostou do conteúdo e quer receber mais material deste tipo no seu e-mail? É só clicar aqui

Ao clicar, você será encaminhado para a página do ReStartSe – movimento que nós criamos para entregar os melhores conteúdos sobre empreendedorismo e inovação de forma totalmente gratuita para profissionais brasileiros. 

Você só vai precisar informar seu e-mail. Depois disso, nosso material gratuito irá direto para a sua caixa de entrada diariamente. 

Clique aqui para se inscrever e receber nossos conteúdos!