“Está vindo uma nova cultura de aprendizado”, diz cofundador da Affero Lab

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

18 de abril de 2018 às 12:05 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Conrado Schlochauer é cofundador da Affero Lab, uma empresa de aprendizagem corporativa, e embaixador da Singularity University em São Paulo. Schlochauer esteve na EdTech Conference que está acontecendo hoje em São Paulo, reunindo as maiores inovações em educação do país.

Para o empreendedor, estamos experimentando uma mudança na educação. A mudança não é causada apenas pelo uso de novas tecnologias no setor, mas também por uma nova cultura de aprendizado que está surgindo. “Aprendizagem é diferente de aquisição de conteúdo – é a explicitação do conhecimento por meio de uma performance melhorada”, afirmou Schlochauer.

A nova onda de aprendizagem é chamada de “life long learning”, caracterizado pelo aprendizado contínuo durante a vida. A grande mudança é que a educação e o aprendizado não estarão mais focados apenas na época da escola e graduação, mas estará presente em toda a vida. “Eu acredito que está sendo criada uma nova espécie de ser humano. Não seremos mais Homo Sapiens, mas Homo Discens – uma espécie que aprende”, comentou.

As necessidades da sociedade trarão uma maior diversidade no conteúdo lecionado, como já é possível observar através do surgimento de escolas de programação para crianças e adolescentes. “Mas não temos que simplesmente ensinar a programar, temos que ensinar pensamento computacional, de causa e efeito”, afirmou o cofundador da Affero Lab.

As edtechs – startups de educação – já possuem, mas terão um papel ainda maior nesse processo, impactando profundamente na educação. “As Edtechs mudarão professores, membros de faculdades, estudantes, pais e toda a sociedade”, disse Conrado. Para exemplificar, o empreendedor citou o exemplo da Knack. A startup propõe jogos às pessoas, utilizando os resultados para analisar as habilidades de cada indivíduo e indicar, posteriormente, profissões e vagas de emprego.

[php snippet=5]