Qstione utiliza dados para automatizar sistemas de avaliação nas escolas

Avatar

Por Isabella Câmara

29 de março de 2018 às 09:11 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A presença da tecnologia já afetou, de maneira positiva, diversas áreas da sociedade – e com o setor de educação não é diferente. Com o uso das startups de EdTech, que utilizam o poder da tecnologia para oferecer uma forma inovadora de aprendizagem, processos burocráticos e atividades corriqueiras serão simplificados e gerenciados de forma mais eficiente, dando aos professores mais tempo para focar nas necessidades de cada aluno.

Apesar do surgimento dessas novas soluções, ainda existem diversos gargalos no sistema educacional brasileiro. O maior deles, segundo Fabrício Garcia, é o sistema de avaliação e diagnóstico. “Tudo começa pela avaliação. Se elas não forem bem-feitas, você não coleta nenhum dado e começa a tomar decisões com base em achismos”, diz o CEO da Qstione.

Foi a partir dessa falha que nasceu a Qstione – uma EdTech que permite que escolas, faculdades, professores, cursos técnicos e de pós-graduação automatizem seus sistemas de avaliação. “Quando eu fui professor da área da saúde, o que me causava muita inquietação ver os estudantes não se dando bem nas suas avaliações. E eu, como professor, não tinha nenhuma ferramenta para analisar informações e informar qual era o problema acadêmico dele nesse processo”, conta Fabrício.

Tudo começou com a necessidade de dar um feedback para os estudantes em relação aos resultados obtidos em cada avaliação. Porém, após Fabrício Garcia ocupar cargos de gestão dentro das universidades, outro problema surgiu. “Eu, como coordenador de curso, era cobrado pelas instituições sobre os resultados das avaliações. Mas, na época, não tinha o controle do que acontecia dentro da sala de aula. Então, a melhor ferramenta que eu encontrei para determinar o dia a dia de uma sala de aula era a avaliação”, diz.

SIGA: o sistema percursor da Qstione

A partir desses dois vieses – o acadêmico e o de gestão de processos –, Fabrício Garcia e seu sócio, Valdeci Araújo, desenvolveram o Sistema Integrado de Geração de Avaliações. O objetivo do SIGA era estruturar e fazer com que os professores elaborassem as provas de acordo com a taxionomia de Bloom.

A taxonomia de Bloom é uma estrutura de organização hierárquica de objetivos educacionais. Desenvolvida em 1956 por um grupo de especialistas liderados por Benjamin S. Bloom, a classificação divide a aprendizagem em três domínios – cognitivo, afetivo e psicomotor – de acordo com seu nível de profundidade de aprendizado.

De acordo com Fabrício Garcia, apesar da taxonomia de Bloom ser o método mais utilizado e efetivo do mundo, ele ainda é pouco difundido no país. “Os professores do Brasil até hoje elaboram suas avaliações sem nenhum método. E sem método, não é possível coletar dados fidedignos sobre o sistema educacional brasileiro”, diz.

Após implantar a solução em diversos cursos universitários, os sócios conseguiram validar esse método de estruturação das provas e iniciaram o processo de qualificação dos professores para que eles pudessem elaborar melhor as avaliações.

Nova fase de desenvolvimento

Com o modelo já validado, a empresa começou a desenvolver a capacidade do sistema em relação a análise de dados. “Foi quando um sistema de estruturar provas se tornou na plataforma Qstione. Hoje, toda instituição que utiliza a ferramenta substituiu todo o processo de elaboração de provas – desde a própria elaboração até a correção”, conta o CEO. Devido a essa automação, os professores ganham mais tempo para focar nas necessidades de cada aluno.

Com a Qstione, é possível estruturar avaliações conforme os Manuais de Itens do INEP e calibradas segundo a taxonomia de Bloom – as questões da prova também são estruturadas de acordo com os objetivos de aprendizagem da matriz curricular e de cada aluno.

Além disso, é possível obter dados detalhados sobre o desempenho, aplicação do conteúdo programático e descobrir lacunas de aprendizagem a cada nova avaliação. De acordo com o CEO da empresa, é possível utilizar esses dados para tomar decisões pedagógicas que conversem com a realidade da instituição e melhorar o desempane tanto dos estudantes e quanto dos professores.

Apesar do processo ser majoritariamente online, a Qstione não substitui as provas impressas. “Não queremos forçar as instituições a investirem em uma nova infraestrutura. Nós conseguimos manter as avaliações impressas e oferecer um relatório eletrônicos sobre o desempenho de estudantes professores. Era esse feedback que eu queria dar no começo, mas não conseguia porque não tinha ferramenta para isso”, diz Fabrício.

Próximo passo: Qstione como uma plataforma de consultoria

No futuro, de acordo com o CEO da empresa, a plataforma se tornará ainda mais robusta e será capaz de automatizar a consultoria para as instituições de ensino. “Hoje, o sistema só fornece os dados, mas as conclusões dessas informações são feitas manualmente pela nossa consultoria ou pela própria instituição. A ideia é que a plataforma evolua até que ela mesma consiga, de forma inteligente, dizer para a instituição o que é melhor fazer com base nos dados obtidos”, diz. Segundo Fabrício Garcia, a plataforma também pode se subdividir em novas linhas e produtos ligados à área de avaliação.

A Qstione é uma das startups que estão MUDANDO o segmento da educação no Brasil, ajudando a construir um país mais forte – e estará conosco no EdTech Conference, o maior evento voltado para tecnologias e startups da área de educação do Brasil. Para conhecer a programação e garantir seu ingresso, clique aqui.