Edtech brasileira cria plataforma de aprendizado para crianças com dislexia

João Ortega

Por João Ortega

25 de fevereiro de 2019 às 17:56 - Atualizado há 2 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Dislexia é um transtorno que dificulta o aprendizado e atinge cerca de 10% da população. Embora a quantidade de disléxicos seja tão grande, a alfabetização, nas escolas, nem sempre é adaptada para melhor atender essas pessoas. Nesse cenário, a edtech brasileira Domlexia criou uma plataforma com conteúdo sobre a dislexia e um game que auxilia no aprendizado de crianças que sofrem com o transtorno.

Por trás da Domlexia está Nadine Heisler, fundadora da startup. “Maternidade é um grande fomento ao empreendedorismo”, explica, durante palestra na EdTech Conference 2019 da StartSe, que aconteceu no dia 21 de fevereiro. “Quando uma mãe vê a filha sofrendo na escola e ninguém entende o porquê, a gente vai atrás de soluções. Foi assim que eu criei esta plataforma”.

O DOM, game para dispositivos Android, iOS e também disponível em navegadores, utiliza um método lúdico e interativo para engajar as crianças no processo de alfabetização. Ele é voltado para estudantes de 6 a 8 anos e idade, e pode ser usado também por quem não apresenta dificuldades de aprendizado.

“O diagnóstico da dislexia normalmente vem ao redor dos 9 anos de idade, sendo que o melhor momento para aplicar esse tipo de metodologia de aprendizado é a partir dos 6 anos. Por isso, criamos uma plataforma em que todas as crianças, disléxicas ou não, podem usar”, explica a criadora do DOM.

Segundo Nadine Heisler, os resultados da primeira aplicação do game em uma escola de Florianópolis foram animadores. As crianças foram capazes de melhor diferenciar letras maiúsculas de minúsculas e criaram maior consciência fonológica – a capacidade de compreender palavras como segmentos de sons. Agora, o objetivo é aplicar a metodologia a mais escolas.