Conheça a Foreo, beautytech que deseja se tornar a Apple da beleza

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

24 de novembro de 2018 às 17:26 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Na China, o Dia dos Solteiros (11/11), é um grande evento, tão aguardado pelos consumidores quanto pelos varejistas. No ano passado, a Foreo foi a marca com maior faturamento em vendas, depois da Apple. O resultado causou surpresa nos executivos da startup sueca de tecnologia para a beleza, os “beauty devices”, e fez despertar neles uma ambição: se tornar a Apple da industria cosmética.

Criada em 2013, a empresa nasceu com o propósito de desenvolver aparelhos de beleza com alta tecnologia. Com o carro-chefe o aparelho Luna 2, a startup promete limpar 99,5% da sujeira e oleosidade da pele ao esfoliar as células mortas e desobstruir poros. Isso é possível através das cerdas de silicone – que garantem uma maior durabilidade e higiene do produto – e das pulsações com a tecnologia T-Sonic, patenteada pela marca.

Os dispositivos passaram a fazer parte da rotina de milhões de pessoas – em cinco anos, a Foreo atingiu US$ 1 bilhão de vendas em 2017 e ficou em 1º lugar em beauty device na China, tendo todo o continente asiático como o seu principal mercado. Atualmente, a empresa possui 20 escritórios globais, tendo aterrissado no Brasil recentemente.

A startup se assemelha a empresa que criou os iPhones por um motivo: ela está adentrando – e criando – um mercado praticamente inexistente. Segundo o Euromonitor, o mercado de cuidados da pele no Brasil alcançou R$ 11,5 bilhões em 2017, segundo 40% em produtos de cuidados faciais. No entanto, essa categoria se restringe a sabonetes, hidratantes, tratamento de acne, tônicos, produtos anti-idade, entre outros – os dispositivos tecnológicos ainda não eram considerados como parte do setor. Agora, esse cenário começa a se modificar com a presença da Foreo no país.

“A Foreo nunca teria entrado no Brasil apenas analisando os dados do mercado. Na verdade, muitas empresas tradicionais não entrariam em um mercado que não existe. Nós brincamos internamente que somos a Apple da beleza – a Apple começou a desenvolver um novo mercado e olha no que deu”, comentou Rina Cunha, gerente geral da Foreo no Brasil. Rina Cunha apresentou a Foreo e suas considerações sobre o futuro do cuidado com a pele no Beauty & Fashion Day deste sábado (24), evento da StartSe focado nas inovações do setor.

Para descrever a Foreo, Rina citou quatro características principais: a disrupção, flexibilidade, humildade e coragem de fazer diferente. “É necessário ter flexibilidade e humildade de identificarmos se estamos no caminho errado para ir para o caminho certo”, comentou.

Hoje, a marca aposta na inteligência artificial e big data como o futuro da beleza. “No futuro, os softwares vão fazer o trabalho de dar recomendação para nós, trazendo soluções específicas do que devemos fazer na nossa pele. Com o tempo, as recomendações ficarão inclusive mais inteligentes e melhores – e isso não está muito longe. Já existem equipamentos no exterior que fazem isso, e a Foreo não está de fora”, comentou a gerente geral da marca.

Como parte dessa revolução, a Foreo já lançou o Luna Fofo, aparelho que conecta em um aplicativo e recomenda especificamente a rotina de beleza necessária para cada usuário – isto é, afirmando se é necessário hidratar ou esfoliar a pele, entre outros. A expectativa é que o produto seja lançado no Brasil já no ano que vem.