Coca-Cola é uma das primeiras empresas a entender uma nova mídia: Snapchat

Avatar

Por Júlia Miozzo

20 de outubro de 2015 às 16:27 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – O Snapchat tem sido usado pelas grandes marcas como uma nova maneira de fazer publicidade em plataformas digitais. Embora a publicidade feita na televisão e em mídias impressas ainda seja majoritária, a publicidade do futuro tende a ser voltada cada vez mais para as mídias digitais.

Entretanto, como explica o site Fast Company, ela pode não ser tão vantajosa para os anunciantes que não possuem um orçamento tão grande – principalmente porque os resultados de tal tipo de publicidade não são tão óbvios. São as empresas que miram justamente na geração entre os 12 e 24 anos que apostam em mídias como o Sapchat.

Mas isso não significa que as marcas estão recebendo toda a audiência que esperavam já que no início do ano o Snapchat divulgou que entre 60 e 70% dos usuários parou de assistir aos anúncios do aplicativo após três segundos. Mas, aparentemente, uma marca soube como contornar essa situação: a Coca-Cola.

Em entrevista ao Fast Company, executivos da empresa contaram que souberam “ajustar a maneira com que falamos com a audiência do Snapchat, pois eles sabem detectar quando é publicidade”. Não muito tempo atrás, como parte da história especial do Snapchat que retratava o primeiro dia de aula de adolescentes, a taxa de conclusão da publicidade da Coca-Cola, com um vídeo exclusivo de 10 segundos incluso, aumentou para 54%.

Apesar de não oferecer métricas detalhadas de audiência, o ponto de venda do Snapchat continua sendo a audiência da empresa. É uma mídia que dá acesso apenas à audiência mais jovem – e a Coca-Cola sabe disso.

“O Snapchat não vai se prender ao mesmo tipo de métricas que nós colocamos no lugar para outros fornecedores, com dados mais granulares. Nós queremos arriscar um pouco de dinheiro para aprender”, disse um dos executivos da empresa.