Co-fundador do Uber investe em transporte de carga no Brasil

"Uber dos caminhões" conta com uma rede de 100 mil caminhoneiros autônomos e promete economia de até 30%

Avatar

Por Paula Zogbi

23 de março de 2016 às 11:28 - Atualizado há 4 anos

O transporte rodoviário de carga acaba de ganhar sua versão do Uber: a chamada CargoX. A ideia é tão semelhante que um dos fundadores do aplicativo de caronas, Oscar Salazar, resolveu investir e tornar-se investidor da startup.

Trata-se de uma “transportadora impulsionada por tecnologia” brasileira, contando com uma rede de 100 mil caminhoneiros autônomos para realizar entregas de carga. A plataforma pretende usar as diretrizes do Uber para selecionar uma equipe de caminhoneiros conectados em tempo real. Hoje, o transporte de cargas é responsável por mais de 65% do volume de mercadorias movimentadas no Brasil e seu custo representa cerca de 6% do PIB do país.

“Utilizamos a ociosidade da frota autônoma do país com o cruzamento das rotas de nossos clientes para otimizar os envios. Com essa tecnologia por trás da CargoX permitimos que os embarcadores tenham uma economia inicial de até 30% no valor do frete”, esclarece Alan Rubio, diretor de Transportes da CargoX em comunicado à imprensa.

É fácil acreditar que dará certo, depois de todo o sucesso do Uber. A previsão é que nos primeiros dois anos de operação, o investimento chegue a R$ 100 milhões.

Para Salazar, o momento econômico que o Brasil atravessa também foi uma oportunidade para a criação da companhia. “As transportadoras brasileiras estão sob a pressão da crise econômica e, justamente por isso, vamos oferecer um serviço de melhor qualidade com menor custo. Para nós é o momento de apostar no país e crescer de forma exponencial, impactando positivamente no valor operacional da cadeia logística”, afirma. Ele acredita que o faturamento pode ultrapassar R$ 48 milhões logo no primeiro ano de atuação.