Brex cria conta corporativa gratuita para startups — e deseja substituir bancos

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

2 de outubro de 2019 às 19:51 - Atualizado há 12 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Brex, startup dos Estados Unidos fundada pelos brasileiros Henrique Dubugras e Pedro Franceschi, deseja substituir as contas bancárias corporativas de startups pelo seu novo lançamento, o Brex Cash. A nova conta digital permitirá que as empresas realizem transações (como transferências, por exemplo), sem taxas. O anúncio foi feito no TechCrunch Disrupt desta quarta-feira (2)*.

Pelo contrário: as startups serão remuneradas a cada transação que realizarem, através de pontos. Os pontos poderão ser trocados por milhas ou cashback. O cartão de crédito da Brex será automaticamente integrado à conta digital das empresas. O dinheiro, quando mantido na conta, terá um rendimento de cerca de 1,6%.

Com o lançamento, a Brex passa a atuar como um banco, mesmo sem ser um. A diferença é que, se algo der errado, os usuários terão a garantia da Securities Investor Protection Corporation (SIPC). Nos Estados Unidos, os bancos são garantidos pela Federal Deposit Insurance Corporation, o equivalente ao nosso Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

O rendimento da Brex continuará a ser sobre o volume de compras realizado no cartão de crédito — com a diferença que agora ele deverá ser usado ainda mais pelas empresas, que ganharão benefícios com cada transação. Quem paga uma porcentagem sobre cada compra realizada são os estabelecimentos, e não os clientes (startups).

Criada em 2017, a Brex nasceu para solucionar um dos maiores problemas de startups iniciantes: conseguir crédito. Por isso, seu primeiro produto foi um cartão de crédito corporativo com limites maiores do que as opções convencionais. O objetivo é que as empresas possam comprar o que precisam para iniciar (ou desenvolver) seus negócios. Agora, a empresa passa a ter um papel ainda mais significante para as startups — e uma ameaça ainda maior para os bancos.

Mas, além de chamar a atenção das startups, a Brex agradou também investidores. A fintech recebeu um aporte de US$ 100 milhões em junho deste ano e alcançou um valor de mercado de US$ 2,6 bilhões, tornando-se um unicórnio. No total, a empresa levantou US$ 382,1 milhões em capital.

A Brex virá pela primeira vez para o Brasil no Silicon Valley Conference, evento da StartSe que será realizado no dia 30 de novembro. Saiba mais.

*Com informações de Felipe Giannetti, sócio da StartSe presente no evento.