Braincare é certificada pela Anvisa para medir pressão intracraniana com wi-fi

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

25 de abril de 2019 às 12:54 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Braincare, startup que monitora a pressão intracraniana de forma não invasiva, acabou de receber a aprovação da Anvisa para comercializar seu novo sensor wi-fi. O procedimento é uma alternativa ao processo de monitoramento atual, em que o crânio é perfurado.

Até então, a healthtech oferecia a solução através de um sensor com cabos. O desenvolvimento dos sensores foi possível através da descoberta do professor brasileiro Sérgio Mascarenhas de que a caixa craniana adulta é expansível, possibilitando essa e outras iniciativas de monitoramentos.

Com a aprovação da Anvisa, a solução da Braincare está pronta para ser comercializada. O sensor é emprestado em forma de comodato e há a assinatura mensal no valor de de R$ 3.500 para a utilização dele. O valor não muda independente de quantas vezes ou em quantas pessoas o sensor é utilizado.

Segundo Plinio Targa, presidente-executivo da startup, a empresa escolheu esse modelo de monetização para que o sensor seja utilizado no maior número de pessoas possível. A intenção é que novos dados de pressão intracraniana (PIC) sejam criados, pois hoje eles são quase inexistentes. Os dados coletados são enviados para uma nuvem acessada pelo médico de cada paciente. Com as novas informações, são gerados relatórios automaticamente que contribuem para a pesquisa contínua no setor. “Daqui há 200 anos, essas informações estarão disponíveis, nós estando aqui ou não”, afirmou.

O objetivo final da startup foi traçado quando ela realizou uma aceleração com a Singularity University no Vale do Silício, em 2017. A empresa se destacou, segundo os especialistas, pela possibilidade de impactar um bilhão de pessoas em 10 anos, possibilitando a criação de um novo sinal vital digital.

Um novo nome: brain4care

Na HealthTech Conference da StartSe que acontece nesta quinta-feira (25), além de anunciar a certificação Anvisa, Plinio Targa explicou que a Braincare está mudando de nome. A startup agora assume a marca “brain4care”.

A mudança de nome corresponde à iniciativa de que o monitoramento da PIC seja utilizado em outras áreas além da neurologia, como na cardiologia, hepatologia e nefrologia. Atualmente, a brain4care possui 35 funcionários, 40 projetos de pesquisa e 15 investidores.

Sua solução já está disponível em quatro instituições de saúde, inclusive o Hospital Sírio-Libanês. Recentemente, a startup recebeu um investimento no valor de US$ 5 milhões, liderado pelo empresário Horácio Lafer Piva.