Bolsa alemã investe US$ 10 milhões em fintech apoiada por Thiel e George Soros

Avatar

Por Lucas Bicudo

11 de julho de 2017 às 11:15 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O operador de câmbio alemão Deutsche Boerse Group realizou um investimento de US$ 10 milhões na Trumid. A quantia é um adicional da rodada de US$ 28 milhões que a startup captou no começo desse ano.

Apoiada por Peter Thiel e George Soros, a Trumid, que tem base em Nova York, irá colaborar com o Deutsche para desenvolver produtos e serviços no mercado europeu. Fundada em 2014, trata-se de uma das maiores plataformas de negociação de títulos eletrônicos para ajudar a aliviar a crise de liquidez em mercados de renda fixa.

Os requisitos de capital mais rígidos, impostos na sequência da crise financeira de 2008, deixaram mais caro aos bancos atuarem como criadores de mercado em títulos corporativos, tornando mais difícil o comércio de ativos. A Trumid espera facilitar a negociação, permitindo que os gerentes de ativos e corretores façam transações diretamente e anonimamente entre si em sua plataforma.

Ela é mais uma fintech que está mudando coisas no mercado. Criamos o Fintouch, um evento em São Paulo, para tratar das inovações no setor financeiro que as fintechs estão trazendo. Dê uma olhada.

“Existem catalisadores iminentes para o aumento da adoção do comércio eletrônico na Europa”, disse Mike Sobel, presidente da Trumid, em uma entrevista. Segundo ele, entrar no mercado europeu com a Deutsche Boerse foi uma ótima oportunidade.

“A Trumid já provou sua capacidade de criar um novo mercado de crédito e de títulos transparentes, eletrônicos e eficientes nos EUA”, disse Hauke ​​Stars, membro do conselho da Deutsche Boerse, em um comunicado.

Muitas das plataformas de negociação de títulos têm lutado para obter uma força significativa, em parte por causa de sua incapacidade de persuadir os comerciantes do mercado para negociar os preços uns com os outros. Elas normalmente ganham dinheiro cobrando taxas em negócios executados e suas receitas dependem de comerciantes envolvidos e negociações bem-sucedidas.

(via Business Insider)

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

[php snippet=5]