Blizzard gasta US$ 5,9 bilhões para comprar empresa do Candy Crush, mas…

Da Redação

Por Da Redação

3 de novembro de 2015 às 12:13 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

A King, empresa que criou o popular jogo online “Candy Crush”, acaba de ser comprada por US$ 5,9 bilhões por uma das maiores produtoras de games do mundo – a Activision Blizzard, responsável, por exemplo, pelo fenômeno World of Warcraft, Call of Duty, Starcraft e Guitar Hero. 

A compra da empresa levantou algumas questões relevantes para os observadores. Para alguns, a Activision Blizzard salvou a King do mesmo destino que outras empresas de jogos casuais tiveram recentemente – como a Rovio, que fez o Angry Birds, e a Zynga, do Farmville, que vem demitindo pessoas por não conseguir repetir seus sucessos. 

Uma empresa que tem um hit muito grande dificilmente consegue o mesmo retorno com os novos jogos. É o caso da King, cujos resultados dependem fortemente do Candy Crush. 30% das receitas de US$ 490 milhões no segundo trimestre deste ano vieram do viciante jogo de Facebook.

E um problema: como o jogo está “saindo de moda” e recebendo muitos clones, as receitas da King vinham caindo. A empresa havia registrado uma queda de 28% no lucro e de 18% nas receitas neste trimestre – por depender muito de um único produto.

As compras dentro do aplicativo, que sustentam a empresa, recuaram 30%. Nenhum dos outros 199 jogos da King fazem um décimo do sucesso da sua franquia principal. Talvez com a força e franquias da Activision Blizzard.