Beyond Meat, de “carne vegetal”, estreia IPO com alta de 140% em ações

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

2 de Maio de 2019 às 16:23 - Atualizado há 2 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

A Beyond Meat, startup de “carne vegetal” (ou seja, alimentos feitos de plantas, mas com gosto e aparência de carne), com sede na Califórnia, estreou no mercado de capitais nesta quinta-feira (2). As ações da empresa mais do que dobraram em seu primeiro dia de negociações na Nasdaq, alcançando alta de 140%.

As ações possuíam o valor mínimo de US$ 23 a US$ 25 por unidade, mas começaram a ser vendidas por US$ 46. O preço mínimo das ações foi alterado na véspera da abertura ao mercado – antes, elas seriam negociadas entre US$ 19 e US$ 21.

A alta nas ações pode avaliar a Beyond Meat em US$ 3 bilhões, o dobro do previsto de US$ 1,5 bilhão. No entanto, o valor de mercado da empresa deve variar até o encerramento do primeiro dia de negociações. Foram disponibilizadas 9,63 milhões de ações para o mercado, coordenadas pelo Goldman Sachs, JP Morgan e Credit Suisse.

“Nosso compromisso de marca ‘Coma o que você ama’ representa nossa forte crença que, ao comer nossas carnes feitas de planta, os consumidores podem aproveitar mais, e não menos, de suas refeições favoritas. E, ao fazê-lo, ajudam a adereçar importantes preocupações quanto a saúde humana, mudança climática, conservação de recursos e o bem-estar animal”, afirma Ethan Brown, fundador da empresa, na declaração para IPO.

Brown ainda afirma que “o sucesso do modelo inovador de negócios e produtos” os permitiu alcançar uma grande gama de consumidores, não apenas vegetarianos e veganos, mas quem também consome carne. Dessa forma, ele enxerga a Beyond Meat como apta para competir na “indústria de US$ 1,4 trilhão da carne”. No Brasil, a Fazenda Futuro, que oferece um tipo similar de hambúrguer, também deseja concorrer com frigoríficos.

Criada em 2009, a Beyond Meat possui também carne de frango e linguiça feitas de plantas. Apesar da receita de US$ 88 milhões no ano passado, ela ainda não é uma empresa lucrativa – semelhante ao Pinterest e Lyft.