Apps de bloqueio para iPhone vão causar prejuízo de “apenas” US$ 1 bilhão, diz UBS

Da Redação

Por Da Redação

23 de setembro de 2015 às 15:16 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – A internet viveu dias tensos nas últimas semanas. Os aplicativos que bloqueiam anúncios no Safari foram liberados, fizeram um grande sucesso, se tornaram os mais baixados da App Store e fizeram muitos sites suar frio por um período. 

O medo era que a liberação no iPhone fizesse com que esse tipo de aplicativo se tornasse comum em toda a web – efetivamente destruindo milhões de sites que dependem de publicidade para se pagar e sobreviver. Mas o medo era injustificado, diz o UBS. O prejuízo vai ser de “apenas US$ 1 bilhão”, acredita o banco suíço. 

Pode parecer muito dinheiro, mas isso representa apenas 0,5% do total de anúncios digitais e 1,3% dos anúncios mobile. Nesta perspectiva, não parece um grande problema. O UBS alerta, porém, que os softwares de bloqueio gerais ainda crescem e são sim uma ameaça – principalmente para sites que envolvem tecnologia, já que é esse o tipo de público que possivelmente adota uma novidade destas. 

Veja os motivos pelos quais o UBS não está preocupado: 

1) Anúncios dentro de aplicativos não serão bloqueados – como o uso de aplicativos para navegar é cada vez maior, isto dificilmente se torna um problema. 

2) Apenas no Safari – esses aplicativos só funcionam no Safari, o navegador padrão do iPhone. Ele só representa 22% do tráfego da internet

3) Precisa de instalação – a maior parte das pessoas baixa, mas nunca instala. Isso reduz a quantidade de pessoas para “criar” este problema

4) Só funciona com iPhone 5S, iPhone 6 e iPhone 6S – a base antiga de iPhones não tem acesso a esse tipo de