App possibilita renda extra através do compartilhamento de carros no estilo Airbnb

Avatar

Por Paula Zogbi

30 de junho de 2016 às 10:06 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – Com aplicativos de caronas em plena ascensão, deixar o carro em casa é uma alternativa cada vez mais viável. O problema é que, mesmo na garagem, veículos próprios dão gastos enormes a seus proprietários, entre impostos, seguro, depreciação, entre outros.

Foi para zerar esses gastos – e eventualmente conseguir algum lucro com o carro parado – que a startup curitibana Fleety foi criada.

Como um Airbnb dos veículos, a empresa permite que cada usuário oferte seu carro a usuários que precisem, por tempo pré-determinado e valores relativamente baixos. É possível alugar por hora, semana ou mês e equilibrar os gastos de manutenção com os ganhos do compartilhamento. Por veículo, é possível conseguir cerca de R$ 2.500 mensais, de acordo com representantes da empresa.

“Todo mundo que tem um carro usa ele por cerca de duas horas por dia e no resto fica parado. E é aquele bem que deprecia, que gera custos, dá trabalho. ComF o Fleety a pessoa faz um uso inteligente do carro; e do outro lado quem precisa do carro tem a opção de encontrar em um lugar próximo e buscar na hora”, explica Guilherme Nagüeva, responsável pela estratégia digital da plataforma.

Idealizada em 2013, a companhia passou a operar com força no ano passado e planeja estar no Brasil inteiro ainda em 2016. Posteriormente, os planos são para outros países da América Latina, “provavelmente já no início do ano que vem”, segundo Guilherme.

O Fleety terminou o ano de 2015 com pouco mais de 20 mil usuários e 2.000 carros cadastrados. Em março, esses números já haviam dobrado. “Hoje estamos crescendo 30%, 40% por mês. Já passamos de 2.500 locações de carros pela plataforma”, comemora Guilherme, que garante que sua empresa foi a primeira na América Latina a oferecer este tipo de serviço.

Como boa parte dos serviços que propõem serviços completamente novos, o Fleety teve dificuldades iniciais de aceitação. “Fizemos mais de cem reuniões com seguradoras, levamos 33 nãos. Na trigésima quarta, conseguimos o acordo, e agora é engraçado como elas vêm bater na nossa porta”, comenta o diretor. Foi necessário criar um modelo específico de seguro para comportar o serviço proposto.

Agora seguradas para toda a América Latina, as transações feitas através da plataforma recebem a adição adicionadas taxas de 20% sobre o valor cobrado pelo dono do veículo, que cobrem gastos de operação e dão a margem de lucro da companhia.

O Fleety é a primeira empresa brasileira a ter uma integração direta com o Denatran, o que permite checagem de dados via CNH e garante maior segurança aos usuários. “O que precisamos agora é de confiança. Percebemos que só cerca de 1% dos aluguéis enfrentam problema, e apenas 0,1% do total são questões que não são resolvidas pelos próprios usuários e temos que nos envolver”.

Ousadias

“O legal de ser uma startup é poder fazer coisas diferentes, porque não temos a operação engessada que se vê em locadoras mais tradicionais”, comenta Guilherme.

A maior atração da companhia no momento é uma parceria com a BYD que permite que pessoas em Curitiba, sede da empresa, aluguem o primeiro carro elétrico disponível para o público no Brasil.

“Eles não conseguiriam trazer o veículo para ser vendido por aqui porque o país não oferece a infraestrutura necessária”, diz o executivo. “Nós pudemos trazer essa experiência para o público e já estamos pensando em outras opções como o aluguel de um carro de corrida que será acompanhado de um curso”, antecipa.