Aplicativo facilita a denúncia de abuso sexual no transporte público

Através do app, é possível acionar uma Sirene para alertar os outros passageiros do que está acontecendo e enviar SMS aos números de denúncia oficiais

Avatar

Por Júlia Miozzo

14 de outubro de 2015 às 10:31 - Atualizado há 4 anos

SÃO PAULO – O transporte público de São Paulo, apesar de ter apresentado melhorias nos últimos anos, ainda não é perfeito. É frequente, por exemplo, que usuárias do transporte sofram abuso sexual ao utilizá-lo – e, nesses casos, fica mais difícil de fazer uma denúncia apropriada.

O novo aplicativo HelpMe chega ao mercado para facilitar as denúncias dessas situações, permitindo que o usuário indique em qual transporte a situação ocorreu – metrô ou CPTM –, a linha específica, qual era a estação ou ponto exato e o que ocorreu, tudo através de SMS que são enviadas para os números de denúncia oficiais do metrô e da CPTM.

Também é possível enviar um SMS urgente para o número de denúncia, caso o usuário esteja em “situações de risco, onde você não tenha tempo e/ou mobilidade e/ou visão do celular por muito tempo”, segundo o próprio site; para enviá-la não é preciso acrescentar nenhuma informação.

HelpMe

Outra função disponível é a Sirene, que, quando acionada, emite o som de sirene através do smartphone do usuário para que os outros passageiros percebam algo de errado acontecendo. “A ideia da sirene é que, em situações de risco, a pessoa consiga ser inibida”, disse o criador do aplicativo, Renato Sanches.

Disponível para os sistemas Android e iOS, o HelpMe não têm vínculo com o metrô ou a CPTM – os números para os quais as mensagens são enviadas estão no site dos serviços. “A proposta do aplicativo é facilitar e agilizar a denúncia que qualquer um já poderia fazer, já que na hora é mais difícil criar uma mensagem do zero. No aplicativo, ela já está pronta para ser enviada”, disse Renato.

Por enquanto, o serviço ainda está disponível somente na cidade de São Paulo, mas deve chegar “muito em breve” ao Rio de Janeiro, segundo o próprio Renato.