Alemães criam uma espécie de Airbnb para refugiados

Avatar

Por Juliana Américo

11 de setembro de 2015 às 09:11 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

SÃO PAULO – A Europa está passando pela sua maior crise de refugiados, provenientes, principalmente, de conflitos na Síria, Somália e Burkina Faso. Pensando em ajudar essas pessoas que estão deixando os seus países, o casal alemão Jonas Kakoschke e Mareike Geiling decidiu abrir as portas da própria casa para abrigar os imigrantes que não têm onde morar.

Foi com esse ato de solidariedade que surgiu o projeto chamado Flüchtlinge Willkommen (Bem-vindos, Refugiados), uma espécie de Airbnb para refugiados. De acordo com o jornal The Telegraph, a plataforma online reúne pessoas dispostas a oferecer assistência.

Em torno de 780 alemães já se inscreveram no projeto, que já conseguiu abrigar 26 pessoas de diversos países em lares na Alemanha e Áustria. No caso dos fundadores, eles receberam um refugiado do Mali, de 39 anos, que, agora, está esperando uma autorização de trabalho.

Kakoschke conta que, apesar de a Alemanha ter campos para refugiados, os locais são precários e não oferecem a assistência necessária. “Eles não estão autorizados a trabalhar, não têm aulas de alemão e, na maioria das vezes, os abrigos ficam longe das cidades e ficam em vilas onde não há nada para fazer ou trabalhar”.

O site pretende ser uma solução de longo prazo para estas pessoas, por isso o período mínimo de estadia é de três meses e as casas devem ter ao menos um quarto para os visitantes.

“Nós pensamos que o refugiado deve viver sob as mesmas condições que os residentes. Por esta razão, só aceitaremos acomodações que ofereçam ao refugiado seu próprio quarto”, explica Kakoschke.

Por conta do sucesso do “Airbnb para refugiados”, os fundadores já receberam proposta para estenderem a plataforma para Grécia, Portugal, Reino Unido entre outros países.