Airbnb deseja que anfitriões se tornem acionistas na startup

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

24 de setembro de 2018 às 10:18 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Airbnb deseja que seus anfitriões – as pessoas que alugam os próprios imóveis para outras a partir da plataforma – se tornem acionistas na startup. A empresa entrou em contato com a Securities and Exchange Commission (SEC – o órgão regulador do mercado americano equivalente à CVM) para pedir que as regras entorno das ações da empresa fossem revisadas.

“Como um marketplace da economia compartilhada, o Airbnb tem sucesso quando nossos hosts têm sucesso. Nós acreditamos que permitindo que companhias privadas concedam ações aos anfitriões (e outros participantes da economia compartilhada) desde o estágio inicial das empresas, isso iria aumentar os incentivos entre as companhias e os participantes, trazendo benefícios para ambos”, escreveu a empresa na carta enviada à SEC.

A startup deseja mudar, especificamente, uma lei americana que dispõe que empresas privadas não podem conceder ações aos contratados. Na carta, o Airbnb não especificou como seria o processo ou os critérios para um anfitrião se tornar acionista na empresa, que completa dez anos de atuação neste ano.

O Airbnb no Brasil

Segundo a Época, uma pesquisa feita pela plataforma de hospedagem afirma que 53% dos anfitriões brasileiros que utilizam o Airbnb, usam para ter uma renda extra – e 44% destes realmente precisam desse dinheiro para complementar a renda. Como o Uber, também agente da economia compartilhada, a startup se tornou uma alternativa para os brasileiros complementarem seus orçamentos – agora, alugando os próprios imóveis.

Ainda segundo a pesquisa do Airbnb, o Brasil possui hoje 180 mil acomodações anunciadas pela plataforma – em 2012, esse número era de 3,5 mil. No Brasil, o Airbnb se tornou uma opção para viajantes de outros locais que visitam o país e querem uma estadia mais flexível – é possível alugar desde casas inteiras até apenas um cômodo. A plataforma também é utilizada pelos próprios brasileiros que necessitam de locais para ficar em estadias de viagem ou até que precisam de bons cenários para gravações, por exemplo.