WeWork premia startup brasileira de produtos orgânicos em US$ 360 mil

A Raízs foi a segunda colocada na categoria "Empreendedores" de prêmio para empresas de alto impacto

0
shares

A WeWork – que recentemente mudou seu nome para The We Company – premiou a startup brasileira Raízs em US$ 360 mil. A empresa ficou em segundo lugar no Creator Global Finals, ocasião em que premia empreendedores e empresas de alto impacto.

A Raízs é um e-commerce de venda de produtos orgânicos feitos por pequenos produtores. O objetivo da startup é “fortalecer o laço entre o agricultor familiar de orgânicos e o consumidor consciente”, diz a empresa em seu site.

A companhia busca fortalecer esses laços permitindo que os consumidores conheçam, na medida do possível, as famílias que produzem os alimentos. Isso é realizado através de perfis no site da própria Raízn que apresentam a história de cada família e identificando o que produziram. Para quem desejar, é possível também visitar as famílias.

O modelo de negócios da Raízn permite que caixas com alimentos sejam enviadas semanalmente ou que os usuários façam compras de seus produtos preferidos.

Para quem deseja contribuir ainda mais com os pequenos produtores, é possível fazer doações para um fundo específico para eles no checkout das compras. Além disso, a empresa afirma direcionar 10% de seu resultado financeiro para o mesmo fundo.

A startup começou a operar em 2016 com a união dos sócios Bruno Rebouças e Tomás Abrahão. Ela ganhou em segundo lugar na categoria “Empreendedores” da premiação da WeWork.

Os vencedores

A startup Medinas Health, dos Estados Unidos, ganhou o primeiro lugar na categoria “Empreendedores”, levando o prêmio de US$ 1 milhão. Já a Raízs figurou o segundo lugar, enquanto a Afrocenchix, do Reino Unido, ficou no terceiro lugar e levou US$ 180 mil para casa.

As startups foram julgadas por Adam Neumann, presidente-executivo e cofundador da WeWork, Ashton Kutcher, ator e investidor, Sean Combs, empreendedor, Gary Vaynerchuk, presidente-executivo da VaynerX e Kirsten Green, fundadora do fundo Forerunner Ventures.

"É claro que se trata de um negócio, mas também tem que ser uma paixão, uma necessidade que você tem e que vê no mundo. O negócio é o caminho, mas você acaba ganhando por causa do seu coração", disse Tomás Abrahão, fundador da Raízs.

Segundo Abrahão, o valor será utilizado para investir em melhorias em tecnologia, marketing e expansão da plataforma. Além disso, ele também busca investir na infraestrutura física do startup.

Comentários

Mais em Startups