Entenda o que o Google quis com sua medida para “voltar a ser startup”

Da Redação

Por Da Redação

6 de julho de 2016 às 15:44 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A empresa-mãe do Google, a Alphabet, é uma das maiores do mundo (ela e a Apple ficam brigando para ver quem vale mais…), mas mesmo ela precisa lembrar de suas raízes dentro de uma garagem para manter o status de inovação. E acaba de criar uma medida muito bacana para garantir que boa parte da empresa continue agindo como uma startup: parte dos funcionários terá seu trabalho avaliado e recompensado pelo desempenho de suas divisões.

Isso será aplicado para os funcionários da divisão de “Outras Apostas”. Mas o que é a “Outras Apostas” da Alphabet? Quase tudo que não é o Google, aparentemente. Isso significa que o X, Calico e, principalmente, a Nest, estão agrupadas nas “Outras apostas” da Alphabet. Uma divisão que teve um prejuízo de US$ 800 milhões no último trimestre, mas que pode resultar na próxima grande fonte de receita da Alphabet (afinal, o Google não quer ser a única máquina de dinheiro deles…).

Só que o problema é que o funcionário dessa área, é, efetivamente, um funcionário de uma grande empresa com missão de startup – ser inovadora e mudar o mundo é algo que cabe muito melhor quando você é um grupo de jovens idealistas sentados em um escritório pequeno, sem dinheiro e com fome de fazer. Calhou que a maior empresa do mundo tem esse mesmo objetivo. O que fazer?

Aí Larry Page teve uma ideia genial: fazer com que os funcionários tenham uma espécie de “nova ação”, como parte de seu pagamento. Aquele pacote de ações da Alphabet (leia-se: reflete o desempenho do Google) virou um pacote de ações de suas empresas DENTRO da própria Alphabet, conversíveis em ações da Alphabet ou dinheiro de tempos e tempos, depois que uma firma independente avaliar a empresa.

Isso é muito importante como estímulo para o funcionário dessas áreas. Ele, agora, sabe que se esforçar bastante e fazer o necessário para que aquela pequena parte da empresa crescer, poderá ganhar MUITO mais dinheiro que antes, quando o desempenho das ações que ele ganhava não dependia nem um pouco do esforço dele (afinal, era o desempenho do Google e pronto).

Ele também não vai se sentir tentado a abandonar a Alphabet para ir para outra startup, onde o desempenho dele fizesse diferença e ele pudesse enriquecer de verdade. O que Larry Page fez foi criar a maior aceleradora e incubadora do mundo, onde as empresas já possuem funding apropriado e podem buscar as inovações necessárias para ter sucesso ou fracassar, fortalecendo assim a possibilidade de inovação dentro da companhia.    

É possível que a Alphabet trate suas divisões como, realmente, apostas, abrindo várias, comprando várias companhias e permitindo que elas se desenvolvam da maneira que acharem mais correta – agindo como startups de verdade.  Os funcionários vão abraçar o estilo da empresa e vão se matar de trabalhar para conseguir os melhores resultados possíveis.

Assim, a inovação da empresa será preservada.

Mensagem do Editor
 
Ei, tudo bom?
Gostaria de agradecer pela visita! Meu nome é Felipe Moreno, sou editor-chefe do StartSe e, como muito de vocês, dono de uma (minúscula) startup de mídia.
E vou te fazer um pequeno convite: vamos bater um papo! É só se cadastrar aqui embaixo e eu vou te enviar alguns e-mails para você com o melhor do nosso conteúdo para te ajudar, seja você um empreendedor, funcionário, investidor ou apenas interessado neste maravilhoso mundo!
É um caminho de comunicação direto que nenhum outro portal oferece para seus leitores. E a intenção é construir uma comunidade vibrante que esteja preparada para todos os enormes desafios que virão. Vamos construir conhecimento e conteúdo juntos! Conto muito com a presença de vocês neste papo!
[php snippet=5]