Como Preparar sua Startup para Negociar e Receber Investimentos

0
shares

Sabemos que realizar investimentos em projetos e negócios ainda em estágios iniciais é uma aposta e tanto, exigindo assim, extremo cuidado e análise detalhada de todas as premissas por parte do investidor.

Por outro lado, pode-se dizer que a maioria dos empreendedores planeja sua startup ou projeto antecipando, desde o princípio, a chegada de investidores.

Todavia, o que ocorre normalmente é que o projeto ou startup não estão de fato preparados para receberem investimentos, podendo tornar o negócio menos atrativo e até mesmo desinteressar potenciais investidores.

Por isso, para que um empreendedor saiba se seu projeto ou startup está realmente pronto para receber investimentos, é fundamental que se atentem para alguns pontos.

Neste artigo, iremos abordar:

  • Apresentação do projeto;
  • Validação do negócio;
  • Estratégias de Financiamento;
  • Questões jurídicas, passando por temas como, Due Diligence, NDA, entre outros.

Apresentação do Projeto

Nada mais é uma apresentação introdutória de poucos minutos, cujo objetivo é despertar o interesse de clientes e investidores pelo projeto e/ou startup apresentada.

Com isso em mente, por se tratar de uma curta apresentação, devem conter apenas informações essenciais e que diferenciem seu negócio dos demais.

Pitch

O pitch pode ser apenas verbal quanto ilustrado por alguns slides complementares, que abordem principalmente o problema a ser resolvido, a oportunidade denotada, o mercado de atuação, a solução apresentada, os diferenciais do negócio, equipe e o que a empresa está buscando.

Além disso, vale lembrar que os que estarão assistindo não só estarão atentos para o negócio em si, quanto para o empreendedor por trás do projeto. Por isso, é necessário transmitir confiança, segurança, conhecimento e capacidade de execução.

Uma dica importante é que se pesquise o nível de conhecimento de seus ouvintes sobre o mercado no qual seu negócio está introduzido.

Assim, caso seja composta por ouvintes que tenham pouco conhecimento, procure fazer um pitch mais básico e, para aqueles que possuam experiência no segmento, apresente seu pitch mais detalhado.

Pitch Deck

O pitch deck trata-se de um complemento ao pitch, funcionando como uma espécie de plano de negócios ou sumário executivo da startup.

É importante que contenha, principalmente, a apresentação de um problema, como seu negócio o resolve, bem como uma introdução de quem são seus clientes e por que é/será diferente das demais.

Vale indicar também quem são os fundadores e outros membros-chave da equipe, o potencial do mercado que o negócio está inserido, a escalabilidade da startup, seus concorrentes e porque seu negócio é melhor do que as soluções já existentes.

Outros pontos importantes a serem abordados pelo pitch deck são como a startup está planejando comercializar e/ou monetizar sua solução, em que fase de desenvolvimento está seu produto, estratégia de aquisição de clientes, projeções financeiras e, colocar em destaque quanto a empresa pretende receber de investimentos e indicar como o dinheiro vai ser usado.

Validação do Negócio

A validação é primordial para obter feedbacks sobre seu negócio e se o modelo adotado realmente funciona e faz sentido.

Com isso, fazer um MVP é fundamental. No entanto, vale destacar que MVP (sigla para Minimum Viable product, ou, em português, Produto Minimamente Viável) nada mais é que um conjunto de testes iniciais feitos com um produto piloto, com o objetivo de validar a viabilidade de uma solução e seu modelo de negócio.

Ressaltamos que o MVP não se trata do produto final, e sim de um produto desenvolvido com o mínimo de recursos possíveis, que contém sua função de solução ao problema para o qual foi criado.

Com a aplicação do MVP na validação, é possível que o empreendedor lapide a ideia e molde de acordo com os feedbacks recebidos e, consequentemente, tenha um produto que tenha lugar no mercado, desenvolvendo a solução proposta juntamente com o cliente final.

Estratégia de Financiamento

Além disso, o empreendedor deverá ter uma estratégia de financiamento definida, ou seja, ter claro o quanto de recursos sua startup precisará e como utilizará o capital investido, bem como por quanto tempo, até que a mesma possa se preparar para uma nova captação ou entrar no break even, isto é, quando as receitas da empresa pagam os custos e o negócio se torna lucrativo.

Fique Atento

Saindo um pouco da esfera de apresentação, parte estratégica e financeira do negócio, ter “a casa arrumada” é fundamental para atrair bons investidores. Afinal, quem investirá em uma empresa não formalizada e repleta de inseguranças jurídicas? Simples. Ninguém.

Com isso em mente, a constituição da empresa, o registro da marca, elaboração de bons contratos, entre outras questões são, sem dúvida nenhuma, detalhes importantíssimos de um empreendimento.

E, por isso, são analisados e investigados minuciosamente por investidores.

Due Diligence

Essa análise feita por investidores é chamada de Due Diligence, isto é, uma auditoria detalhada sobre todos os aspectos, contábeis, financeiros e jurídicos que envolvem a empresa que pretende investir. Tal análise é realizada com a verificação de documentos e informações.

Dessa forma, são identificados possíveis passivos já existentes ou que podem surgir ao longo do processo de investimento decorrente de situações anteriores.

Com isso, tal processo de investigação funciona como uma espécie de retrato da situação da startup no momento do investimento.

Alguns pontos são extremamente relevantes e devem ser destacados na Due Diligence, como as áreas financeira, tributária, societária, de propriedade intelectual e trabalhista.

Sendo assim, é importante que a startup esteja com toda sua documentação organizada e de fácil acesso para a análise dos investidores.

Análise Financeira

A análise das declarações financeiras, receitas, custos operacionais e dos balanços patrimoniais da empresa, caso tenha, servem para estabelecer a patamar financeiro atual da empresa e verificar se as condições são favoráveis ao investimento.

Análise Tributária

No que se refere à verificação da situação fiscal da startup, é interessante demonstrar que a mesma está em dia com o pagamento e recolhimento de todos os tributos que lhe são devidos.

A maneira de se fazer isso é retirar certidões de regularidade fiscal, certidão de débitos relativos a créditos tributários federais e à dívida ativa da União, bem como certidão negativa de débito estadual e outras.

Análise Societária

Quanto às questões societárias da empresa é preciso destacar que seu Contrato/Estatuto Social e eventuais alterações devem estar devidamente registrados na Junta Comercial/RCPJ da cidade sede, bem como arquivados na própria empresa.

Além disso, é fundamental que estejam formalizados, arquivados e organizados os Acordos de Sócios, Vestings e eventuais investimentos anteriores, como por exemplo, um Mútuo Conversível.

Análise Trabalhista

Na seara trabalhista, o investidor buscará saber como se a empresa possui débitos ou passivos trabalhistas e ações judiciais trabalhistas em curso ou que podem surgir.

Por isso, a empresa pode retirar certidões de feitos trabalhistas, certidão de regularidade do FGTS e certidões negativas de débitos trabalhistas, comprovando assim que a empresa está em dia com suas obrigações trabalhistas, além de comprovar a relação devidamente formalizada de seus empregados.

Análise de Propriedade Intelectual

Neste aspecto não serão necessárias certidões, no entanto, é fundamental que se tenha documentado todos os registros de marcas, patentes e desenhos industriais de propriedade da sociedade.

Assim, os investidores poderão analisar se, por ventura, poderão infringir o direito de propriedade intelectual de algum terceiro e/ou se tem assegurado o eventual registro do produto final da empresa, sem perigo de investirem em algo incerto.

Além disso, é importante que estes direitos estejam sob a propriedade da sociedade a ser investida, pois caso contrário poderão ser um entrave ao investimento.

Demais Contratos

Ainda, vale destacar que todos os contratos celebrados com terceiros, como por exemplo, prestação de serviços, devem também estar organizados e arquivados na empresa.

Cumpre esclarecer também que, caso apareçam questões provenientes da análise documental que citamos acima, não significa que o investidor deixará de fazer o investimento.

No entanto, será considerado se este fato poderá implicar em uma eventual responsabilidade financeira da empresa, abatimento de valor ou simplesmente assunção de risco.

Com base no acima exposto, resta claro que é primordial haver transparência entre a startup e o investidor.

Assim, com a Due Diligence realizada, pode-se identificar se existem dívidas ou problemas jurídicos, possibilitando assim que a empresa possa se desenvolver e se estabelecer no mercado.

NDA

Ainda no que refere à contratos firmados, um investidor avaliará se a empresa possui NDAs - Contratos de Confidencialidade - com seus funcionários, parceiros e prestadores de serviços.

Afinal, a confidencialidade sobre os processos internos da empresa, know-how, ideias e inovações podem e devem ser considerados como assets da mesma. Da mesma forma, estes podem ser utilizados com o próprio investidor.

Todavia, vale ressaltar que tais contratos não são obrigatórios e nem sempre precisam ser utilizados, pois podem, por vezes, não ser bem recebidos em certas negociações.

Cap Table Atualizado

Além disso, é essencial estar com a documentação de investimentos anteriores formalizados, e, principalmente, ter o Cap Table atualizado.

Cumpre lembrar aqui que capitalization table é caracterizada como uma tabela onde são descritos quem são os sócios de uma empresa, e incluindo também detalhes sobre a participação real de cada um destes na startup.

Vale ressaltar que nem sempre o Contrato Social será suficiente para demonstrar o Cap table, pelo que, nestas hipóteses, precisa ser apresentado de outra forma.

O principal objetivo de manter o Cap Table atualizado é evitar questões e problemas futuros em relação aos direitos e participação dos sócios de uma empresa, bem como manter-se saudável e organizada, o que a torna mais transparente e, logo, mais atrativa para potenciais investidores.

Quer saber mais sobre investimentos e formalização de Startups? Então acesse o Parceiro Legal - O Blog do FCM Advogados e assine nossa newsletter.

 

Atualize-se em apenas 5 minutos


Receba diariamente nossas análises e sinta-se preparado para tomar as melhores decisões no seu dia a dia gratuitamente.

Tags

Comentários