O que é o melhor para você: empreender ou um emprego em grande empresa?

Da Redação

Por Da Redação

24 de outubro de 2016 às 11:15 - Atualizado há 4 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Pode parecer meio besteira, mas eu adoro poder trabalhar de bermuda. Até pouco tempo atrás eu não tinha essa opção, trabalhando em uma empresa grande, eu tinha que me ater a um dress code muito específico. Na verdade, em uma empresa grande, mesmo usando roupas super normais (camiseta Hering e calça jeans!) eu era um transgressor do dress code.

Aí eu mudei de emprego, vim para o StartSe (uma startup, como tantas existem no Brasil) e passei a ter a opção de trabalhar de bermuda. Meu chefe (que passou a carreira toda em uma empresa que ele ajudou a se tornar gigante) ainda olha meio torto para isso. Mas faz parte da cultura das startups dar essa liberdade para os seus colaboradores. Ele entende e (aposto) ainda virá de bermuda algum dia.

Mas o que essa digressão sobre trabalhar de bermuda tem a ver com o título do texto? Olha, muita coisa. Primeiro, o título é mentiroso. Ele solta uma pergunta que não existe uma única resposta. Não é como comparar o Ronaldinho Gaúcho com o Kléber Gladiador. Não há um que é claramente superior ao outro. Somos pessoas diferentes, temos todos desejos diferentes. E para cada um de nós existe algo que é melhor que outra coisa. Este texto aqui existe para te ajudar a encontrar a SUA resposta.

Eu me sinto muito mais à vontade em uma startup do que em uma empresa gigantesca (daquelas que as pessoas não sabem o nome uma das outras e tem mais nível de 5 níveis de hierarquia). Mas este sou eu. Outra pessoa terá preferência por empreender, outros pela estabilidade de uma grande e tradicional empresa (tem gente até que vai querer ser funcionário público, trabalhar em uma estatal). São opções diferentes pois somos todos diferentes.

Vamos avaliar o que é melhor para ti?

Será que empreender é o melhor?

A primeira opção que você tem é criar seu próprio negócio – que provavelmente é a opção com a maior chance de dar errado, já falando de cara. É também a mais recompensadora, caso dê certo. Só que dar certo é difícil: 90% das empresas morrem nos primeiros anos.

Não falo isso para te desestimular. Falo isso para você estar ciente que o caminho do empreendedorismo é complicado e tortuoso. Não é fácil e nunca foi fácil. Não é para ser fácil. Mas é extremamente recompensador, financeiramente, emocionalmente.

Primeiro, temos que tirar um pouco do glamour que existe em “empreendedorismo”. Isso é perigoso. Não é o caminho para “não ter chefe” ou “estabilidade”. Pelo contrário, empreender é ter milhares de chefes ao mesmo tempo (seus consumidores). Empreender é passar boa parte do tempo no “fio da navalha”, se preocupando em conseguir vender o almoço para comprar o jantar.

O lado bom, e muito válido destacar, é que nunca foi tão barato empreender na história da humanidade. Hoje em dia, o preço da infraestrutura necessária para manter um negócio digital no ar (um site, ou um aplicativo) caiu drasticamente graças às empresas de computação em nuvem, como a Microsoft (e a sua nuvem Azure) e a Amazon, que tem a Amazon Web Services.

Com a redução de custos por conta do IaaS (Infraestrutura como Serviço, na sigla em inglês), o dinheiro necessário para empreender caiu e muito, puxando o risco para baixo. Dez anos atrás, você mesmo precisava montar o seu servidor. E isso vinha antes de ter a demanda para o servidor, que poderia nunca vir, resultando em uma perda gigantesca de dinheiro. Isso mudou e agora é a melhor hora para empreender.

Empreender é a chance de ter algo recompensador

Empreender é dar a chance de ter algo extremamente recompensador na sua vida. Sua empresa é uma espécie de filho e que, quando estiver gerando vendas e crescendo, vai te dar muito orgulho. Trabalhar para si mesmo, como empreendedor, é muito mais empolgante para a maioria das pessoas do que sentar-se em um escritório de uma grande empresa.

E também é importante ressaltar que empreendedores criam empregos e fazem a economia crescer. Saber que você está fazendo bem para tantas pessoas envolvidas no seu negócio certamente é um motivador muito grande para muitos. Empreender não é apenas benéfico para você: é bom para toda a sociedade brasileira.

Mas como empreender? Empreender envolve transformar sua ideia em um produto. Inicialmente, um MVP (Mínimo Produto Viável), validá-lo e passar por uma série de etapas até chegar no ponto que aquele produto. Para te ajudar nesta tarefa, temos um curso muito bacana chamado Startup de A a Z, que fala muito do começo de cada negócio e das primeiras fases. Você também pode baixar o E-book que preparamos sobre o assunto!

Empreender não é para todo mundo!

Assim que você começar a empreender, saiba que existe um risco ENORME. Se nas grandes empresas o seu medo é ser demitido, saiba que no empreendedorismo também é possível passar por algo traumático assim: perder todos os clientes. Ou fazer uma má gestão financeira e falir. As coisas podem dar errado. MUITO errado.

Empreender é muito mais arriscado que ser um empregado. Muito mais demandante também. Para empreender você precisa estar no auge físico (aguentar as noites inteiras que você terá que trabalhar) e no auge mental (suportar toda a pressão do mercado). É necessário perfil de empreendedor e estar sempre antenado às tendências para não ser engolido pelos competidores. Cuidado, para não ser engolido pelo próprio sonho.

O sonho de todo pai: emprego em grande empresa

Quando você nasceu provavelmente sua mãe não olhou para ti e disse “vai fundar um unicórnio”. Ela provavelmente quis te ver advogado, médico ou funcionário público. Não sendo nenhuma dessas três opções, ela provavelmente sonhava com a estabilidade de uma grande empresa para você.

E, acredite, haverá um desespero dentro dela quando ouvir você falar “vou empreender”. Ela pode dizer que tudo bem e que te apoia, mas também vai pesquisar no Google as chances dessa “loucura”, dar certo.

Sua mãe está certa em uma coisa: uma grande empresa pode ser um trabalho muito mais estável para você, mesmo. Você vai ter todos os benefícios que existem ao trabalhar em uma companhia grande: seguro-saúde super subsidiado, férias e, quem sabe, um departamento de recursos humanos tão chato que não vai te permitir trabalhar mais de oito horas por dia nem se quiser. Ah, e se você trabalhar mais de oito horas por dia, provavelmente receberá o pagamento da hora extra por isso.

Mas todos esses benefícios terão um preço: seu chefe será um burocrata que estará mais pensando em suas metas pessoais que na própria empresa, ou em você. Ah, provavelmente ele vai levar o mérito por tudo de extraordinariamente bom que você fizer. E seu dia-a-dia vai ficar muito chato, muito rápido.

É capaz que você ache fantástico trabalhar em uma empresa grande nos primeiros anos. Mas depois, quando tudo cair na rotina, talvez lhe falte algo. Uma adrenalina que você não experimenta quando tudo é “estável”. Por isso, boa parte dos empreendedores já passaram ou passarão por grandes empresas, principalmente os mais talentosos. Mas não fazem disso o grosso de sua carreira.

Há quem ame essa vida, porém. E é bem mais tranquilo para sua mãe, que muitas vezes vai preferir te ver como um técnico na IBM do que como fundador de uma das principais empresas de tecnologia do Brasil.

E se você arranjar um emprego em uma startup?

Talvez o meio-termo disso tudo seja trabalhar em uma startup. Afinal, estar em uma startup também é, de certa forma, empreender e criar riqueza. Em uma startup, talvez os benefícios não sejam os mesmos e a carga horário de trabalho ultrapasse a de muitas empresas estabelecidas, mas as chances são grandes que você receba um pacote de ações como parte do seu pagamento.

Abre a possibilidade de, que na hora de sair da empresa ou da companhia ser vendida, você acabe recebendo muito mais dinheiro do que o habitual em uma grande empresa (ter 1% da companhia de R$ 50 milhões lhe renderia R$ 500 mil, por exemplo). E, claro, a doce possibilidade de tirar férias em que você se desliga da empresa completamente, algo que empreendedores tem certa dificuldade de ter.

Mas prepare-se para trabalhar até tarde, para a cobrança do chefe (que geralmente é o fundador) e para as grandes responsabilidades que virão (o futuro da empresa passa muito por você também!). Em outras palavras: pode ser divertido, interessante e lucrativo. Também não é certo que tudo vai dar certo (99% das startups fracassam, lembra?), mas é um bom meio-termo entre risco e recompensa.

Startups tendem a ser ambientes mais jovens, livres e descontraídos (lembre-se da minha história com bermuda!) e pode ser extremamente prazeroso trabalhar em companhias assim. Mas é fácil deixar levar-se por isso, perder o foco e jogar mais videogame e sinuca do que de fato trabalhar. E a perda de foco pode fazer com que você perca o emprego e, caso isso ocorra em grande escala, a startup em questão não vá bem.

Lembre-se: só aceite essa posição se você realmente acha pode influenciar positivamente a startup. Sua responsabilidade é infinitamente maior do que em uma multinacional em que o dono te vê como apenas mais um número.

Auto-conhecimento é super necessário! O que você vai escolher?

Agora que o texto está concluído, quero propor a reflexão: o que você acha que é melhor para ti? Eu, pessoalmente, depois de 5 anos em uma grande organização, optei por trabalhar em uma startup e empreender enquanto isso. Mas essa não é a única resposta possível, válida apenas para mim.

Para chegar na resposta, é necessário ter muito auto-conhecimento. Refletir muito sobre suas qualidades e defeitos e no que você se encaixa melhor. Talvez fazer um teste vocacional ou falar com psicólogos (e seus pais) sobre os seus desejos para a vida. Conversar com outros empreendedores e funcionários de grandes empresas e startups sobre o que eles fizeram e como eles se sentem.

Procurar a maior quantidade de informação possível talvez lhe ajude a chegar na decisão mais bem embasada de todas. E com um bom embasamento, diminuir a chance de que você se arrependa mais para frente. Lembrando que o StartSe pode te ajudar muito nesse caminho: temos matérias com empreendedores constantemente falando sobre a dificuldade e recompensas de criar seus próprios negócios. E já falamos muito sobre como é trabalhar em uma startup.

Esperamos que você decida o que for melhor para ti, e que se pudermos ajuda-lo a isso, que fique conosco. Boa sorte e sucesso na sua vida!