As desculpas mais comuns para você não empreender

Avatar

Por Pedro Waengertner

24 de janeiro de 2017 às 10:18 - Atualizado há 4 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Você diz para todo mundo que quer empreender. Frequenta eventos e lê várias coisas na Internet. Por que você ainda não está empreendendo?

Converso com muitas pessoas em eventos, em sala de aula, pelo Linkedin, Facebook e etc. Sempre tem alguém que está empreendendo de verdade e está com dúvidas concretas sobre os próximos passos do seu negócio. Estas são as perguntas mais legais de responder, mesmo quando eu já as respondi centenas de vezes. Se a minha missão é transmitir conhecimento, educar e promover o empreendedorismo de alto impacto no Brasil, responder este tipo de pergunta faz parte do meu job description.

Leia também: 6 tendências para startups em 2017

Mas tem um grupo grande de pessoas que estão em cima do muro, pensando em dar aquele passo, tomar aquele risco. E quando pergunto o que falta, geralmente as respostas são muito parecidas:

1 – Ainda não encontrei a idéia certa – Esta é a desculpa número 1. Geralmente eu pergunto para a pessoa qual a lista de idéias que ela tem. Raramente existe uma lista estruturada. Estas pessoas geralmente gostam de frequentar eventos do setor, falar com pessoas, ler matérias sobre empreender, mas não saem do lugar. Quando me apresentam duas ou três idéias e me perguntam qual eu mais gosto, antigamente eu analisava cada uma das idéias com a empreendedora e ponderava os prós e contras de cada uma. Hoje em dia eu pergunto apenas uma coisa: qual a que você mais gosta, que você é apaixonada? E pergunto isso por algumas razões. A primeira é que a idéia vai mudar muito durante o contato com o cliente. Ou seja, o que estou vendo é apenas um rascunho. Ela pode se tornar algo completamente diferente. A segunda é que se não for algo muito relevante para a empreendedora, existe uma chance grande de ficar no primeiro obstáculo que surgir. Este é um projeto de múltiplos anos.

Encontrar a idéia ideal não existe. É uma falácia. Uma boa idéia é uma idéia executada. Portanto, qualquer idéia que a empreendedora quiser serve. Geralmente a empreendedora sabe, no fundo, qual é a ideia que tem mais interesse, vontade. O resto se ajusta. Se ajusta mercado, se ajusta produto. O mais importante é a empreendedora estar disposta a entrar de cabeça. E não precisa largar tudo para validar uma idéia. Pode-se (deve-se) fazer isso nas horas vagas, finais de semana, noite, etc, até que se tenha mais segurança. As metodologias de validação permitem que a gente dê um passo de cada vez.

2 – Só não começo por que preciso de um investidor – Esta já é batida e geralmente são aqueles candidatos a empreendedor que recém estão chegando ao mercado. Geralmente o raciocínio, neste estágio, é mais ou menos assim: para abrir mão do meu salário, eu preciso ter uma renda, portanto preciso de um investidor que garanta a minha remuneração até a empresa dar dinheiro. Parece fazer sentido, né? Mas não faz nenhum e não vou entrar nos detalhes específicos neste artigo. O mais importante é o empreendedor guardar dinheiro suficiente para se sustentar enquanto trilha os primeiros passos da jornada da startup. Quanto dinheiro? Eu costumo indicar dois anos ou mais de custos. Se isso não acontece, é melhor não entrar de cabeça (presumindo que já tenha sido feita uma validação detalhada).

Algumas vezes me falam: mas meu custo é muito alto. Não quero baixar o meu padrão de vida. Bom, para conseguir fazer a conta fechar, é fundamental baixar o padrão de vida. Talvez este seja um sinal que esta pessoa não deveria estar empreendendo.

3 – Não vou empreender por que acabei de ter uma filha – Esta é uma desculpa muito comum e é ligada ao item anterior. Empreender está diretamente ligado a tomar riscos. E ter uma filha é um negócio que assusta. Entendo totalmente um pai ou uma mãe ter preocupação com a segurança financeira da família. Além de tomar as medidas necessárias (vide item anterior), é importante que a empreendedora entenda que a opção de empreender é um estilo de vida e uma questão comportamental também. Vários empreendedores entram na ACE com filhos e isso não muda a maneira como encaram a sua Startup. Na verdade, até ajuda, no meu ponto de vista. Que exemplo você quer que sua filha tenha no longo prazo? Que tipo de pai ou mãe você quer ser?

4 – Só não empreendo por que não tenho ninguém para desenvolver meu produto – A velha falácia do “falta um desenvolvedor”. Este ponto geralmente fala muito sobre a capacidade da empreendedora de resolver problemas. E empreender é resolver problemas o dia inteiro. Por que?

Por que TUDO dá errado! E a única certeza que temos é que problemas vão aparecer. E problemas que nunca imaginávamos.

Voltando para a questão do desenvolvedor… Em primeiro lugar, geralmente a empreendedora ainda não está em um estágio que necessite de um desenvolvedor. Ou seja, tem muita validação a ser feita. Existem dezenas de softwares que conseguem ajudar os empreendedores a validar suas hipóteses, desenvolvendo APPs, Sites e tudo mais que se imaginar. Tudo isso pode te ajudar a evoluir no projeto e a pivotar. Segundo lugar, encontrar uma sócia não é o mesmo que encontrar um desenvolvedor. Normalmente a empresa precisa de uma co-fundadora e não de alguém que simplesmente codifique suas idéias. E uma co-fundadora não é fácil de encontrar. E justamente por isso que fala muito sobre a capacidade da empreendedora.

Nesta situação, eu pergunto duas coisas: 1) quantas horas você passou procurando uma sócia na semana passada? e 2) Como você vai convencer esta pessoa a tocar este sonho junto com você?

Normalmente as pessoas não tem um plano. Uma pessoa com alto expertise técnico não vai cair no colo de um empreendedor bem intencionado.

É comum encontrar gente se vitimizando por não ter uma sócia complementar. E esta lógica vale para qualquer tipo de sócio. Mas o que está sendo realmente feito para resolver o problema?

5 – Estou querendo registrar a patente do meu produto – Geralmente vem junto com o item 2. A empreendedora quer dinheiro para tocar o projeto cuja patente vai valer Bilhões. Só o que precisa é registrar a patente e ninguém copia a ideia.

Não estou nem mencionando aqueles empreendedores que tem medo de ter sua ideia copiada, mas daqueles que acham que patentes vão deixar o negócio mais seguro. Meus amigos, patentes não protegem mais ninguém. Nem o Elon Musk, que trabalha basicamente com tecnologia de ponta, acredita que elas sejam relevantes.

Novamente, o que protege empreendedores é a execução. Somente um time matador, com uma execução impecável, consegue ter algum nível de proteção contra a concorrência.

Eu sei que é legal ficar planejando o projeto, fazendo reuniões com amigos, recebendo feedbacks positivos. Eu sei. Mas isso não é empreender. Empreender é sujar a mão de graxa, viver na insegurança e descobrir como sair de enrascadas todo dia. E se divertir com isso.

Do que você tem medo?

No final do dia, acredito que o que realmente impede as pessoas de irem em frente com seus projetos seja o medo. O bom e velho, medo. O medo que nos paralisa e nos impede de crescer.

Napoleon Hill, em seu clássico “Pense e Enriqueça”, disse que existem seis medos universais:

– O medo da pobreza

– O medo da crítica

– O medo de problemas de saúde

– O medo da perda do amor de alguém

– O medo da velhice

– O medo da morte.

Todos nós nos deparamos com estes medos. O que diferencia o empreendedor das pessoas comuns é como lidamos com eles. Os medos não desaparecem. Mas tomamos a decisão de seguir em frente mesmo assim. E aos poucos aprendemos como lidar com estes sentimentos.

Empreender não é para todo mundo. É para uma minoria. Empreender em uma Startup é para menos pessoas ainda. Mas eu acredito que tem muita gente muito boa criando histórias e se deixando levar pelo medo ao invés de enfrentar esta difícil jornada. O mais importante é ser honesto consigo mesmo e entender o que está por trás de cada desculpa que nos damos.

(Visite o blog da Ace!)

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

[php snippet=5]