YouTube fará mudanças para fornecer novas proteções para crianças

Da Redação

Por Da Redação

4 de setembro de 2019 às 12:54 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O YouTube concordou em fornecer novas proteções para crianças em sua plataforma e pagar uma multa de US$ 170 milhões, em um acordo que dividiu as autoridades federais sobre como controlar os gigantes da tecnologia. As informações são do The Wall Street Journal.

A Federal Trade Commission (FTC), agência federal de proteção ao consumidor, e o procurador-geral do estado de Nova York anunciaram a penalidade para o YouTube após uma investigação de um ano.

A decisão veio em resposta a reclamações de grupos de consumidores de que a plataforma de vídeo coletava ilegalmente dados de crianças para vender anúncios de produtos como bonecas Barbie e Play-Doh.

A FTC disse que o YouTube acompanhou a atividade na Internet para crianças menores de 13 anos, com o objetivo de manter as visualizações altas.

O YouTube não admitiu nem negou irregularidades como parte do acordo. Nenhum executivo do YouTube ou de seu pai, Google, foi penalizado. Os comissários democratas da FTC, incluindo o franco Rohit Chopra, votaram contra a ação, perdendo por 3-2.

A executiva-chefe do YouTube, Susan Wojcicki, disse que o YouTube faria alterações em sua plataforma, incluindo a desativação de comentários em vídeos de crianças e a coleta de dados em vídeos destinados a crianças. Essas mudanças, disse o YouTube na quarta-feira, entrariam em vigor em janeiro para dar tempo aos criadores de vídeos para se ajustarem.

O Google está no início de um crescente interesse regulatório por parte de autoridades e legisladores em Washington, sede do governo nos EUA. O Departamento de Justiça abriu uma investigação antitruste na plataforma de busca dominante da empresa, enquanto uma série de procuradores-gerais do Estado deve revelar suas próprias intenções na próxima semana. Os executivos do Google alegaram anteriormente que a empresa não possui poder monopolista nos vários mercados em que atua.