Xiaomi volta ao Brasil com loja oficial e novos smartphones

Da Redação

Por Da Redação

23 de Maio de 2019 às 16:23 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

A chinesa Xiaomi, fabricante de celulares e desenvolvedora de aplicativos móveis e eletrônicos, anunciou o seu retorno ao Brasil. Juntamente com os produtos, a empresa vai inaugurar sua primeira loja oficial no Brasil, no dia 1/6, no Shopping Ibirapuera. O site da Xiaomi, o mi.com, também ganhará uma versão para o Brasil, que deve entrar no ar na primeira semana de junho.

Uma das poucas empresas que tiveram crescimento em vendas de celulares globalmente no ano passado (26% em 2018, segundo a consultoria chinesa Counterpoint Research), a multinacional chinesa  vai oferecer diversos modelos de smartphones, além de outros produtos, que serão vendidos em uma loja online própria. Os celulares, por outro lado, estarão disponíveis nas principais redes de varejo, como Magazine Luiza, Pernambucanas e Ricardo Eletro. A assistência técnica e distribuição dos celulares no varejo fica com a brasileira DL, que também ficará responsável pelos lançamentos no Brasil da marca chinesa.

Segundo Luciano Barbosa, head da operação Xiaomi no Brasil, tanto a Xiaomi quanto a DL vão trabalhar com “margens mínimas” para proporcionar um preço mais competitivo a seus produtos.

Os novos smartphones anunciados que já tiveram preços sugeridos divulgados são o Mi 9, de R$ 3.999, e o Note 7 Pro, de R$ 1.699. A Xiaomi já havia trazido ao mercado brasileiros os modelos chamados Pocophone F1 (R$ 2.999) e o Redmi Note 6 Pro (R$ 1.999).

A primeira vez que a Xiaomi chegou ao Brasil foi em 2015. Na época, a fabricante trazia para o público brasileiro o Redmi 2 por R$ 500, a Mi Band por R$ 95 e a Mi Power Bank por R$ 100. No entanto, em 2016, a empresa anunciou a saída do país e, posteriormente, o executivo responsável pela operação da chinesa, Hugo Barra, anunciou que também estava saindo da empresa para apostar em outros negócios.