Waymo irá vender tecnologia de localização que usa em seus carros autônomos

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

6 de março de 2019 às 15:45 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Waymo anunciou, nesta quarta-feira (6), que irá comercializar uma das peças fundamentais para os carros autônomos: o Laser Bear Honeycomb.

O dispositivo é um LIDAR, uma espécie de radar que mapeia locais através de lasers. A empresa afirma que sua versão é capaz de “enxergar” objetos que estão imediatamente de frente aos sensores.

No entanto, a Waymo venderá o radar apenas para “parceiros selecionados” – o que deve excluir os concorrentes que também produzem carros autônomos. A tecnologia também poderá ser aplicada nos setores de agricultura, robótica e segurança.

No anúncio, Simon Verghese, líder do time de Lidar da empresa, afirma que o dispositivo da empresa possui visão vertical de 95° (e 360° na horizontal), enquanto alguns dos lidares concorrentes possuem a visão vertical de “apenas 30°”.

Além disso, Verghese escreveu que o lidar Honeycomb é capaz de identificar mais de quatro diferentes objetivos por laser emitido, trazendo uma visão mais detalhada do cenário.

“Oferecer o dispositivo para parceiros ajuda a estimular o crescimento da aplicação fora dos carros autônomos e também impulsiona o nosso negócio. Podemos escalar a tecnologia autônoma mais rapidamente, tornando cada sensor mais acessível através da economia de escala”, disse Simon Verghese.

A polêmica com a Uber

A tecnologia que a Waymo disponibilizará para a venda é a mesma que a empresa acusa a Uber de ter copiado. Em 2017, a Waymo processou a Uber sob a alegação que um ex-funcionário do Google teria baixado dados sensíveis relacionados aos circuitos de Lidar.

Anthony Levandowski teria baixado os dados seis meses antes de pedir demissão e entrar para a Uber. Na época, a Waymo pediu uma indenização de US$ 2,5 bilhões. Mais tarde, um dos funcionários da Uber testemunhou que a empresa teria uma divisão apenas para roubar segredos comerciais. No fim, a Uber realizou um acordo de US$ 245 milhões para encerrar o processo com a Waymo.