Será que a sua profissão será substituída por um robô no futuro?

Avatar

Por Isabella Câmara

5 de Maio de 2018 às 18:16 - Atualizado há 3 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Estamos no início daQuarta Revolução Industrial: automação, inteligência artificial, robótica, impressão 3D e outras tecnologias eliminarão postos de trabalho em um ritmo alucinante. À medida que indústrias inteiras se reajustam, muitas profissões se transformarão de forma surpreendente. “É só olhar a fábrica da Tesla. Lá não tem nenhuma pessoa”, conta Felipe Lamounier, sócio da StartSe, no Silicon Valley Conference.

Segundo ele, a automação irá transformar diversos postos de trabalho – desde a área de construção civil até na gastronomia. “Tem uma previsão do McKinsey, 800 milhões de empregos no mundo serão substituídos por robôs. Daqui a pouco os robôs substituirão até os policiais. Apesar de isso não estar acontecendo ainda, com o mundo de segurança privada está. Hoje já temos robôs andando por shoppings em San Francisco que consegue identificar se uma pessoa é procurada pela polícia, se está acontecendo uma briga e até mesmo se alguém fez xixi em lugar errado”, conta.

Na gastronomia, temos o robô Molley. De acordo com Lamounier, até o fim desse ano já será possível “baixar” uma receita e dá-la para o robô executar. Os braços robóticos serão capazes de cozinhar mais de 200 variações de pratos de chefes famosos. “Até os entregadores de comida vão ser substituídos por robôs”, afirma Felipe. Em San Francisco, já temos desde drones entregando comida até um robô fazendo isso por terra. O entregador-robô foi desenvolvido por uma concorrente do Uber Eats, a Startships.

No mundo da música, temos a Emily Howell. Humana? Não, robô. Desenvolvido por uma startup adquirida pelo Google, o algoritmo criou sete faixas instrumentais já disponíveis em alguns serviços de streaming. De acordo com Felipe Lamounier, a próxima versão da tecnologia será capaz de cantar músicas em inglies – uma vez que a startup está desenvolvendo uma inteligência artificial capaz de reproduzir discursos humanos.

Enquanto alguns trabalhos serão ameaçados pela redundância, outros crescerão rapidamente. “Há previsões de que 33% dos empregos de 2020 ainda não existem ainda. E olha que já estamos em 2018, faltam apenas dois para chegarmos ao ano previsto”, conta. De acordo com Lamounier, para desempenhar todas as profissões do futuro, a criatividade e o pensamento crítico serão fundamentais.