União Europeia discute proibir reconhecimento facial por cinco anos

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

17 de janeiro de 2020 às 10:46 - Atualizado há 2 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A União Europeia está discutindo proibir o uso de dispositivos de reconhecimento facial em áreas públicas por até cinco anos. De acordo com documentos acessados pela Reuters, a medida poderá ser tomada para que autoridades criem legislações capazes de prevenir abusos causados pela tecnologia.

Venha aprender com os líderes das empresas mais inovadoras do Vale do Silício (EUA), China, Israel e Portugal

O objetivo seria proteger e garantir privacidade aos cidadãos europeus. “Além das atuais regulamentações, o futuro aparato regulatório poderá ir além e incluir uma proibição temporária sobre o uso da tecnologia de reconhecimento facial em áreas públicas”, afirma a proposta em um documento de 18 páginas.

Durante este período, “uma metodologia sólida de avaliação dos impactos desta tecnologia e das medidas de gestão de risco pode ser identificada e desenvolvida”. Projetos de segurança e de pesquisa e desenvolvimento poderão ser isentos da proibição. Margrethe Vestager, vice-presidente executiva de regulação digital da UE, deve apresentar uma proposta detalhada no próximo mês. A informação não foi confirmada por fontes oficiais da instituição.

Enquanto a União Europeia considera proibir a tecnologia de reconhecimento facial, a China adota cada vez mais a tecnologia. No país, o registro da face é obrigatório para novos usuários de celular. Os dispositivos são usados no cotidiano de universidades, para detectar doenças genéticas em recém-nascidos e até mesmo identificar motoristas sonolentos.