Uber repete demissão de mais de 400 funcionários após um mês

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

11 de setembro de 2019 às 12:17 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Uber demitiu 435 funcionários dos times de engenharia e produto. A maioria esmagadora eram de escritórios do Estados Unidos, mas também há profissionais da Ásia, Europa, Oriente Médio e África. A empresa afirma ter mais de 27 mil empregados ao redor do mundo.

De acordo com a companhia, as demissões são fruto de um crescimento “hiperacelerado” da startup, em que as contratações foram realizadas “rapidamente e de forma descentralizada”. “Nós devemos mudar como desenhamos nossas organizações: de forma lean, com times excepcionais de alta performance, com habilidade de execução mais rápida do que nossos concorrentes”, descreveu a empresa ao TechCrunch. Há um mês, a empresa demitiu 400 pessoas de seu time de marketing.

A Uber informou que as demissões vieram após uma provocação do CEO, Dara Khosrowshahi. Ele questionou aos seus executivos líderes se fossem construir uma empresa do zero hoje, teriam o mesmo time. A resposta foi negativa.

As demissões estão acontecendo em um período sensível para a empresa. No segundo trimestre do ano, a Uber teve um prejuízo de mais de US$ 5 bilhões – o seu maior até então. A empresa realizou sua primeira oferta de ações em abril deste ano, o que significa que possui ainda mais investidores para prestar contas.