Uber demite mais 350 funcionários, em 3ª rodada de desligamentos neste ano

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

15 de outubro de 2019 às 17:49 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Uber demitiu cerca de 350 funcionários nesta segunda-feira (14). As demissões aconteceram nas áreas de marketing, no Uber Eats e na divisão de carros autônomos (chamada de “Advanced Technologies Group”). Essa é a terceira rodada de desligamentos realizada pela empresa neste ano – e Dara Khosrowshahi, CEO da companhia, afirma que será a última.

A segunda rodada de demissões aconteceu há um mês, de 435 funcionários. Antes disso, 400 pessoas haviam deixado o time de marketing da Uber. A terceira rodada de demissões foi anunciada aos funcionários da empresa por e-mail, obtido pelo TechCrunch.

“Dias como esse são difíceis para todos nós, e faremos o que pudermos para garantir que não precisaremos ou teremos outro dia como esse em nosso futuro”, escreve o CEO. “Nós todos temos que criar um novo padrão em como trabalhamos: identificando e eliminando trabalho duplicado, aumentando nossos mais altos standards de performance, dando feedback direto e fazendo algo quando expectativas não estão sendo alcançadas, além de eliminar a burocracia que tende a aterrorizar o crescimento de companhias”.

Na rodada anterior de demissões, Dara Khosrowshahi questionou os líderes de equipe se eles teriam o mesmo time caso construíssem a empresa do zero. A resposta foi negativa – o que incentivou a tomada de decisão.

A Uber tem passado por uma reestruturação após a abertura de capital realizada no início do ano. Agora, a empresa possui diversos investidores para prestar contas. Ao mesmo tempo, a companhia ainda não é lucrativa – e teve um prejuízo superior a US$ 5 bilhões no segundo trimestre deste ano, o maior de sua história.