4 maneiras que veículos autônomos podem impactar o mundo

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

30 de novembro de 2017 às 18:38 - Atualizado há 3 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Tecnologias e inovações são capazes de trazer mudanças que moldam uma sociedade. Um setor que gera revoluções sempre que há novidades é o de transporte e automóveis, pois é um serviço utilizado em todo o mundo. Navin Chaddha é managing diretor na Mayfield, uma empresa global de capital de risco. Ele também é um investidor da Lyft, aplicativo de transporte que conecta motoristas a pessoas, e principal concorrente do Uber hoje. Agora, a empresa é concorrente do Uber em mais um setor: a corrida para o lançamento de carros autônomos.

Chaddha reuniu empreendedores da Lyft, Tesla, BMW, Toyota e outras empresas automobilísticas para discutir como os veículos autônomos podem impactar o mundo. Da reunião, tiraram quatro conclusões:

  1. Transportation as a service (TaaS)

Apenas nos Estados Unidos, existem 253 milhões de carros e caminhões. Em 95% do tempo, esses veículos encontram-se parados, sem uso. Esse é um dos motivos pelos quais as empresas (como a Lyft) têm investido em carros autônomos. Por isso, muitas pessoas acreditam que o futuro dos carros serão virar bens compartilhados, usados apenas quando necessário. Assim, ninguém mais seria dono de nenhum carro específico, podendo pedir um carro em um aplicativo quando necessário. A exceção seriam carros que usam acessórios específicos, como suportes para bicicletas, cadeiras para bebê e crianças e acomodações para pessoas com deficiência.

Você já pensou em usar, normalmente, um carro que não é seu? Essa é uma realidade estranha para nós hoje, mas compartilhar viagens com outras pessoas (carsharing) também era e hoje é amplamente utilizada na modalidade UberPool, por exemplo.

  1. A indústria de caminhões mudará completamente

Chaddad acredita que faremos entregas por veículos autônomos antes mesmo que entremos em um. Para ele, as primeiras indústrias mais afetadas pelo transporte como um serviço (TaaS) serão as de delivery e de caminhões.

Atualmente, empresas contratam corretoras, que fazem o papel de contratar motoristas de caminhões. Um exemplo é a Uber Freight. O surgimento dos carros autônomos tornará esse serviço ainda mais rápido, graças a disponibilidade de dados das rotas e entregas em tempo real.

Além disso, caminhões autônomos combatem um problema que nenhum humano consegue evitar: o cansaço. Caminhões autônomos trabalham 24 horas por dia, 7 dias por semana, capaz de atender a uma demanda ainda maior.

  1. Quem serão os primeiros a usar carros autônomos?

Chaddad afirma que as megacidades – como Cingapura, por exemplo – serão as primeiras a utilizar a novidade amplamente, pois são lugares onde o trânsito é um grande problema. Os carros autônomos são uma solução para o trânsito pelo motivo de poderem ser compartilhados e usados de acordo com a demanda, resultando em menos carros nas ruas.

A tecnologia de comunicação entre os veículos autônomos também permitirão que eles andem mais próximos, agilizando o fluxo de veículos. Ele acredita que os carros autônomos se tornarão comuns em 2025.

  1. Barreiras de segurança e regulamentação

Ideias inovadoras – como as da Nova Economia (leia o e-book gratuito) – são constantemente encaradas com estranhamento. Os veículos autônomos não fogem desse conceito, afinal, carros possuem motoristas há alguns séculos. Por isso, barreiras como a falta de confiança das pessoas e a falta de regulamentação é algo que pode atrasar a implementação desses veículos. A falta de confiança é um fator que pode permanecer por alguns anos, mesmo depois de provado estaticamente que veículos autônomos são mais seguros que os comuns.

No entanto, seguros não significa que são infalíveis. Antes de qualquer implementação, é necessário ter certeza que a tecnologia dos carros autônomos são a prova de hackers, por motivos óbvios.

As regulamentações são outro assunto polêmico. O seleto grupo de empresas sentiu que alguns regulamentadores estão céticos quanto às afirmações que veículos autônomos podem reduzir congestionamentos, melhorar a qualidade do ecossistema e facilitar a vida das pessoas. O Departamento de Energia dos Estados Unidos estimou que o impacto ambiental dos veículos autônomos gerará 90% de redução de combustíveis, mas 250% de aumento no consumo de energia.

Depois da discussão de todos esses assuntos, a Mayfield concluiu que devemos ter certeza de apenas uma coisa: que veículos autônomos surjam para melhorar nossas vidas.

(Via VentureBeat)

Participe do maior censo de startups do Brasil! Não deixe de entrar no grupo de discussão da StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

E caso você tenha em patrocinar os eventos da Startse, entre em contato no patrocinio@startse.com.

[php snippet=5]