Depois da Rússia e da China, Uber desiste de mercado de 620 milhões de pessoas

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

26 de março de 2018 às 12:26 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Uber “desistiu” sua operação no sudeste da Ásia ao realizar uma fusão com seu rival na área, o Grab. Como parte da estratégia de fusão, a empresa americana comprará 27,5% em ações no Grab e Dara Khosrowshahi, CEO da Uber, fará parte do conselho do Grab. O sudeste asiático é uma região com mais de 620 milhões de pessoas e o movimento é muito parecido com o que ele fez na Rússia e na China.

Motoristas e usuários que utilizam a Uber no Camboja, Indonésia, Malásia, Myanmar, Filipinas, Singapura, Tailândia e Vietnã terão que migrar para o Grab – é um mercado gigantesco, que inclui países com mais de 620 milhões de habitantes. O aplicativo da Uber continuará a operar por mais duas semanas para os motoristas, tempo que terão para se inscreverem no Grab.

A aquisição cobre desde a Uber ao Uber Eats, já disponível na Tailândia, Malásia e Singapura. O serviço funcionará até o final de maio, quando será substituído pelo GrabFood. A aquisição permitirá que o Grab amplie seus serviços de transporte e delivery. Segundo a empresa, o GrabFood estará disponível na maioria dos países do sudeste asiático na primeira metade de 2018, passando a iniciar o serviço em Singapura e Malásia devido à integração com o Uber Eats.

“A aquisição de hoje marca o começo de uma nova era. Os negócios combinados são líderes em eficiência de plataforma e custo na região. Juntos com a Uber, nós estamos em uma posição ainda melhor de cumprir a nossa promessa de servir nossos clientes”, afirmou Anthony Tan, co-fundador da Grab, em uma declaração. Além dos serviços de transporte e delivery, a Grab ainda atua como uma fintech, oferecendo formas de pagamento e serviços financeiros.

“O acordo é uma prova do crescimento excepcional da Uber no sudeste asiático nos últimos cinco anos. Irá nos ajudar a dobrar os nossos planos de crescimento e permitirá grandes investimentos em nossos produtos e tecnologia para criarmos a melhor experiência ao consumidor do planeta”, comentou Dara Khosrowshahi, CEO da Uber.

Apesar da Uber ter vendido sua atuação no sudeste asiático, esse não foi um movimento que causou prejuízo à empresa, pois a Uber adquiriu 27,5% em ações do Grab – que possui o valuation de US$ 6 bilhões, de acordo com o TechCrunch. Conheça o ecossistema empreendedor asiático a partir da segunda maior economia do mundo, a China, em nosso e-book gratuito.

[php snippet=5]