Tecnologia pode acabar com trabalho repetitivo no direito e potencializar advogados

O trabalho no ramo do direito é um dos que deverão ser fortemente impactados pela tecnologia nas próximas décadas

Avatar

Por Da Redação

6 de setembro de 2017 às 15:35 - Atualizado há 2 anos

Não são apenas os empregos na indústria que vão começar a desaparecer com o avanço da tecnologia. Profissionais tradicionais de escritório também deverão desaparecer, principalmente se forem muito repetitivos ou dependerem de habilidades que robôs são melhores.

E o trabalho no ramo do direito é um dos que deverão ser fortemente impactados pela tecnologia nas próximas décadas. Afinal, é uma profissão que depende e muito de um trabalho muito mecânico. Máquinas deverão facilitar e muito o trabalho de muitos advogados, eliminando o emprego de muitos advogados-assistentes.

A inteligência artificial deverá procurar documentos que serão úteis em casos, revisar e criar contratos, levantar possíveis violações de termos para companhias (encontrando fraudes) e outras pequenas coisas que podem ficar fora dos olhos de humanos. E tudo isso geralmente é responsabilidade de advogados de carne e osso (muitas vezes por assistentes ou estagiários).

E são esses que podem ter o emprego substituído, não os grandes advogados, que continuarão tendo (só que usarão robôs para coletar os seus dados). E para onde vão esses assistentes? Em um primeiro momento, alguns serão mandados embora. Outros, porém, deverão seguir o caminho do emprego autônomo, oferecendo (e usando as próprias tecnologias que lhes tirarão dos grandes escritórios).

Advogados com mais clientes

No fim, o que teremos é mais advogados na rua advogando e menos gente fazendo trabalho repetitivo. Isso deverá baixar o valor do custo do direito – levando a justiça a ser mais disponível para as pessoas. O trabalho “criativo” de muitos advogados continuará em vento e popa. “Estamos no começo do começo do começo”, afirma Noory Bechor, CEO da LawGeex. “O nosso segmento, agora, está onde outros setores estavam 10 ou 15 anos atrás, como viagens”, completa.

Ele mesmo era um advogado antes de empreender: seu negócio é resultado de suas experiências pessoais. “Eu fiz muito contrato para pequenas empresas, investidores e multinacionais. Me incomodava que eu precisava reinventar a roda todas as vezes que eu precisava criar um contrato ou revisá-lo”, completa – lembrando que tudo era muito mecânico.

E como todos os contratos pareciam um com o outro, ele decidiu que uma máquina faria o trabalho melhor que ele. O produto da sua startup analisa contratos e compara com outros em uma base de dados – criando contratos muito mais rápido do que um humano faria sem o apoio da tecnologia.

Em um caso, essa mesma inteligência artificial pode analisar milhares de documentos e ver qual tipo de cláusula contratual foi quebrada pelos envolvidos. Com a certeza de que ele, provavelmente, vai deixar muito menos coisa passar do que um humano de leitura cansada – principalmente com o crescimento exponencial de informações a serem analisadas por advogados.

Tecnologia já está em muitos lugares

Por isso, a tecnologia já está disponível em muitos escritórios. O ROSS, da IBM, já é usado por um grande número de praticantes em todos os tipos de firma no mundo: seja dentro de grandes empresas, grandes escritórios, médios e pequenos – além de praticantes individuais e escolas de direito. A plataforma, em média, diminui 20 a 30 horas de pesquisa humana por caso.

E ela ajuda muito a reduzir o “custo da descoberta”, ou seja, o custo de procurar informações relevantes para o processo. 70% do custo é trabalho humano e se esse valor é reduzido para 2%, é uma redução drástica no valor do direito (novamente, democratizando a justiça para todos). E isso garante mais gente trabalhando, já que a demanda pelos serviços dos escritórios cresce bastante.

Redesenhando o setor legal

A tecnologia já mudou tantos segmentos da sociedade, agora começa a mudar o setor legal. O StartSe acredita nisso e está organizando o Lawtech Conference, um evento em São Paulo para tratar da transformação do setor, as startups que estão fazendo diferença e quais as tendências para o próximo ano no Brasil.

Você que é advogado (ou está envolvido neste setor) tem mais a ganhar com. Vem conhecer o futuro do setor do direito conosco no dia 10 de outubro de 2017. Mas aproveite para se inscrever agora: as vagas para o evento são limitadas. Clique aqui.

Participe do maior censo de startups do Brasil! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

E caso você tenha interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

[php snippet=5]