Spotify adquire startup de blockchain Mediachain Labs

Avatar

Por Lucas Bicudo

28 de abril de 2017 às 17:48 - Atualizado há 4 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

A Spotify adquiriu a Mediachain Labs, cuja equipe se juntará ao escritório da empresa em Nova York, onde trabalharão no desenvolvimento de melhores tecnologias para conectar artistas e outros detentores de direitos com as faixas hospedadas no serviço de streaming de música.

Antes de sua aquisição, a startup havia desenvolvido várias tecnologias que poderiam auxiliar nesses esforços, incluindo um banco de dados peer-to-peer descentralizado para conectar aplicativos com mídia e as informações sobre ele, bem como um mecanismo de atribuição para criadores e uma criptografia que os recompensa por seus trabalhos.

Em suma, a startup estava trabalhando com a tecnologia blockchain, a fim de ajudar a resolver problemas com atribuição. Esta é uma área que o Spotify precisa de alguma ajuda. No ano passado, o serviço estabeleceu uma disputa de licenciamento com a National Music Publishers Association (NMPA) nos Estados Unidos sobre royalties não pagos.

De acordo com o NMPA, o Spotify não conseguiu obter licenças mecânicas – que se referem ao controle de um detentor de direitos autorais sobre a capacidade de reproduzir uma obra musical – para um grande número de músicas em seu serviço. O problema poderia afetar outros serviços de streaming também, estimando que até 25% da atividade em plataformas desse tipo hoje não possuem licença.

Como resultado deste acordo, o Spotify concordou ema pagar mais de US$ 20 milhões para editores de música, além de uma pena de US$ 5 milhões. Enquanto a empresa provavelmente evitou vários processos de ação coletiva como resultado do acordo, ela evidenciou um problema maior na indústria.

O Spotify alegou que não pagou os royalties porque simplesmente não tinha os dados necessários para ajudá-lo a descobrir quais reivindicações eram legítimas, ou mesmo como localizar as partes. Disse que faltava uma base de dados sólida que cobrisse todos os direitos existentes da música. Isso abre o processo, que obviamente não é a maneira ideal de gerenciar esses pagamentos.

Com Mediachain, a companhia potencialmente tem uma solução em suas mãos – mas em vez de construir um banco de dados centralizado com informações de direitos musicais, parece que vai construir um descentralizado. Essa é a mentalidade do Vale do Silício, que transforma tudo e usa a tecnologia para melhorar velhos processos.

Como explica Mediachain, sua visão para o problema com atribuição é uma camada de dados compartilhada, que “seja fundamental para capacitar criadores e proprietários de direitos e permitindo um modelo mais eficiente e sustentável para a criatividade online”.

(via TechCrunch)

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

[php snippet=5]