Revolução AgroTech terá fazendas autônomas e agricultura digital

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

30 de janeiro de 2018 às 16:46 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A StartSe realiza nesta terça-feira o evento 2018 – A Revolução da Nova Economia, no qual as tecnologias mais promissoras são discutidas em todos os setores. Adriana Lucia da Silva é co-founder do AgTech, um espaço de co-working focado no agronegócio, e disse quais as principais mudanças que o setor agropecuária está sofrendo a partir de nova tecnologias.

Tal como os veículos autônomos invadirão as cidades em alguns anos, eles também chegarão às fazendas. No caso, as fazendas se tornarão autônomas. “No campo, teremos os carros, plantadoras, colhedoras e tratores autônomos”.

Segundo a Adriana, a tecnologia permitiu que fossem desenvolvidas a agricultura de precisão e digital. “Antigamente, o que era feito na produção do campo: o produtor fazia seu trabalho com base na tentativa e erro, tendo experiências do melhor período para plantar e colher”. Hoje, esse modelo está ultrapassado.

“A agricultura de precisão permitiu que adquiríssemos muito mais informação com base em dados do sol e clima. Essa base de informações maior permitiu que tivéssemos uma maior produtividade e menor custo”, comentou.

A agricultura de precisão é completamente digital. A possibilidade de usar drones, imagem de satélites, tratores com GPS e os resultados trazidos pelas inovações permitiu que a agropecuária fosse inserida na Nova Economia.

A IOT, internet das coisas, está inserida nesse setor através do monitoramento do crescimento de árvores, por exemplo. “Sensores são instalados em cada árvore para medir o crescimento em diâmetro delas. Há também o monitoramento de pragas em solo através de tablets – conseguimos detalhar exatamente onde tem a praga no solo”, informou Adriana.

Startups para ficar de olho

Por gerir um co-working de empresas de agrotech, Adriana Lucia possui uma grande interação nesse setor. Entre as startups que conhece, Adriana citou três para prestar atenção, pois possuem potencial de revolucionar o agrotech. São elas:

Zeus Agrotech

A startup monitora e consegue predizer exatamente ao produtor quando e quanto vai chover. A Zeus Agrotech separa por microrregião da fazenda, para que o produtor tenha a oportunidade se planejar quanto possíveis mudanças climáticas, além de aproveitar a água pluvial.

Sensix

A Sensix atua posicionando drones para captação e análise de dados de agricultura. A startup começará a aplicar inteligência artificial na interpretação de imagens para facilitar a tomada de decisões pelos agricultores.

Beef Trader

A Beef Trader é uma plataforma de business inteligence para produtores da agropecuária, trazendo modelos de nutrição e crescimento, sensores e dados de preço em tempo real. A startup informa inclusive a melhor época para tirar o gado do confinamento, por exemplo.

S4 AgTech

A S4 AgTech é uma agrotech e fintech ao mesmo tempo, pois traz soluções financeiras para as fazendas. Como uma seguradora, a startup avalia os dados financeiros das fazendas e realiza avaliações de riscos financeiros, utilizando dados da própria lavoura e do mercado, por exemplo, para realizar as avaliações.

Se você deseja saber ainda mais novidades que startups estão trazendo para a agropecuária, leia o nosso e-book gratuito.

[php snippet=5]