O futuro dos pagamentos não terá caixas ou aplicativos

Avatar

Por Mariana Rodrigues

1 de agosto de 2017 às 18:06 - Atualizado há 3 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Apesar do número cada vez maior de prestadores de serviços de pagamento, a própria experiência de pagamento tende a desaparecer. Assim, a invisibilidade do processo de pagamento pode ser a base para uma experiência perfeita, contribuindo para o crescimento do uso e oportunidades ampliadas para as empresas.

Os criadores de tendências estão trabalhando para desaparecer com a parte transacional das interações, proporcionando uma experiência ininterrupta. “De certa forma, pagamentos invisíveis podem se tornar uma parte mais integrada e intuitiva da experiência do usuário”, sugere Chris Francis, vice-presidente de desenvolvimento de mercado da WorldPay.

Mas nem as instituições financeiras nem a comunidade de inicialização FinTech são os principais condutores nesse movimento.

O pagamento não é o objetivo, nem é uma etapa final de interações B2B, B2C ou C2C

Não é o próprio pagamento que constitui uma interação bem-sucedida de qualquer negócio com seus clientes, e sim a experiência com o produto ou serviço que a empresa oferece. O pagamento é apenas um passo para conectar pessoas e marcas.

Compras sem pagamento

A Amazon é uma das empresas que chegaram mais perto de tornar ideia de uma experiência de compra sem pagamento em realidade. Ela fez isso com o conceito da loja Amazon Go. Nela, a experiência de pagamento em si é removida da experiência de compra.

Amazon/ Divulgação

A tecnologia Just Walk Out da Amazon Go detecta automaticamente quando os produtos são retirados ou retornados para as prateleiras e as mantém em um carrinho virtual. Depois de selecionar suas compras o cliente pode simplesmente sair da loja. Pouco depois, a empresa cobra da conta Amazon do cliente e envia um recibo.

Outra experiência de “não-pagamento” foi a do Tao Cafe da Taobao, na China. Os visitantes podem escanear seus smartphones na porta, pegar o que precisam e, depois de sair, a conta será automaticamente enviada. A loja pop-up participou do Taobao Maker Festival, criado para mostrar a experiência de varejo “sem caixa” do Grupo Alibaba. Nesse caso, ao sair da loja o cliente passa por um corredor de pagamento que detecta automaticamente os itens e deduz o custo da sua conta Alipay.

O smartphone desaparecerá, levando junto os pagamentos móveis

O Facebook e a Apple estão colocando todos os seus ovos em uma cesta que não tem nada a ver com o celular, anteriormente considerado como o futuro dos serviços financeiros. O Facebook agora está apostando seu futuro na realidade aumentada, a tecnologia incipiente que promete sobrepor as informações virtuais no mundo real e eventualmente substituir smartphones por algo como um par de óculos ou mesmo lentes de contato.

A Apple, no evento WWDC 2017, descreveu a tendência como algo que poderia enterrar os smartphones nos próximos 10 anos, tornando irrelevante qualquer desenvolvimento de pagamento móvel.

“A realidade aumentada –  será o novo sistema operacional e essa foi a grande novidade na WWDC”, disse Gene Munster, Analista de Apple e Fundador da Loup Ventures, ao Stuart Varney da FOX Business. Munster, considerado um dos principais observadores de tendência da Apple, acrescentou: “Ela vai mudar a forma como interagimos e, eventualmente, irá substituir o smartphone. Pense no smartphone eventualmente desaparecendo nos próximos 10 anos. Essa é a próxima onda”.

Artigo originalmente publicado no portal Let’s Talk Payments e traduzido com exclusividade para o StartSe.

Saiba como fazer parte desse ecossistema

Para fazer parte do ecossistema global de fintechs, você pode cadastrar sua startup na MEDICI e na StartSe Base.

A MEDICI é uma base de dados que conta hoje com 7.000 empresas de todo o mundo. Ela pertence à Let’s Talk Payments (LTP), empresa global de conteúdo e pesquisas sobre fintechs.

A StartSe Base é a maior base de dados de startups do Brasil, com mais de 5.000 empresas cadastradas.

Sobre a Let’s Talk Payments (LTP)

A LTP é a principal plataforma de conteúdo e pesquisas sobre fintechs no mundo. Mais de 400 instituições financeiras e 90 programas de inovação recorrem à LTP para obter informações sobre as empresas que estão disruptindo o setor financeiro.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.