Nomadeec utiliza realidade aumentada para ajudar em atendimentos de emergência

O aplicativo de telemedicina se apresenta como uma nova ferramenta para o diagnóstico e tratamento de pacientes no campo

Avatar

Por Isabella Câmara

5 de janeiro de 2018 às 17:05 - Atualizado há 2 anos

E se um médico a quilômetro de distância pudesse salvar sua vida? Essa é a ideia por trás do Nomadeec – um aplicativo de telemedicina que a empresa francesa Medtech Exelus vem desenvolvendo há três anos.

Projeto por meio de uma parceria entre a empresa de software médico Exelus e o HoloLens, a Nomadeec aproveita os comandos baseados em gestos para que os profissionais tenham acesso a módulos personalizáveis ​​para avaliações de pacientes, exames clínicos e perfis.

O que mais está por vir? Descubra no nosso evento 2018: A Revolução da Nova Economia!

Com a Nomadeec, há também uma tela heads-up para monitorar os sinais vitais de um paciente, uma vez que a plataforma pode se conectar via Bluetooth a vários tipos de dispositivos médicos, como ECG, termômetros, estetoscópios e dispositivos de ultrassom. Além disso, quando os profissionais precisam de uma segunda opinião, o sistema Nomadeec pode conectá-los a outros médicos por meio de videoconferência.

O Nomadeec utiliza a solução para alimentar as informações dos médicos por meio de vídeo, voz e seleções feitas na interface do aplicativo. Funciona assim: o médico fornece instruções através do bate-papo por vídeo e marcadores holográficos aparecem na viseira.

De acordo com um porta-voz da Exelus, o Nomadeec já conseguiu identificar de forma mais eficiente quais eram os pacientes que necessitavam de um tratamento prioritário em 25% dos casos. Atualmente, segundo o porta-voz, diversos médicos e paramédicos já testaram o Nomadeec, que aguarda a aprovação da FDA nos Estados Unidos.

O problema de conexão

A conectividade com a internet é um dos maiores desafios da telemedicina e é por isso que as versões anteriores da tecnologia operavam em locais com conexões estáveis. Já o Nomadeec é um sistema portátil para quem nem sempre tem acesso a conexões estáveis uma vez que se conecta via 3G/4G, satélite ou Wi-Fi.

“Otimizamos os algoritmos de compressão para permitir sua transmissão via 3G ou Edge”, disse o porta-voz da Exelus. “O 4G será necessário se a avaliação apresentar inúmeras imagens e se a videoconferência for necessária”, conta.

Se você não quer ficar para trás, não perca a oportunidade: participe do evento 2018: A Revolução da Nova Economia e descubra quais as inovações mais promissoras do mundo.

Via: VRScout