China testa tecnologia que cura o câncer e HIV (e pode revolucionar saúde)

Avatar

Por Elena Costa

23 de janeiro de 2018 às 14:15 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A China é o primeiro país a testar em humanos a edição de gene para curar doenças câncer e HIV. Segundo o The Wall Street Journal, até o momento 86 pessoas já tiveram os seus genes editados com a técnica,  com evidências de cerca de 11 ensaios clínicos chinês sobre o uso de CRISPR.

O jornal também descobriu que um desses testes em humanos foi realizado ainda em 2015, algo que preocupa os cientistas do ocidente já que os chineses possuem menos regulamentação e uma disposição para apressar pesquisas apesar de potenciais riscos e questões de segurança. Além disso, os testes recentes sugerem que o CRISPR pode desencadear uma resposta imunológica na maioria dos pacientes, o que pode render tratamentos potencialmente ineficientes ou perigosos.

Para os cientistas ocidentais, a rapidez dos chineses e os resultados obtidos são irresponsavelmente prematuros. Eles consideram que os chineses podem até ser os primeiros a curarem o câncer usando o CRISPR, mas ressaltam que não está claro as repercussões que podem surgir com esses testes de segurança precoce.

Um teste previsto para este ano na China irá inscrever 16 pacientes. Enquanto isso, o primeiro teste CRISPR humano nos EUA, na Universidade da Pensilvânia, irá inscrever 18 pessoas, e é projetado principalmente para testar se CRISPR é seguro ou não. No primeiro semestre do ano passado foram mais de US$ 2 bilhões investidos em tecnologias de healthtech, e esse número só deve crescer nos próximos anos. O CRISPR é uma das mais promissoras, mas não é a única.

Novos medicamentos e vacinas, próteses, órteses, máquinas e equipamentos para diagnóstico e intervenção, robôs cirúrgicos, prontuário eletrônico único e etc, são exemplos de campos de investimento e trabalho de milhares de técnicos e cientistas. A tecnologia é cada vez mais utilizada na saúde, transformando o segmento de maneiras completamente diferentes. Para conhecer as novidades trazidas pelas startups de healthtech, participe da maior conferência sobre saúde e tecnologia do país, que estamos promovendo em março na cidade de São Paulo. Confira a programação e nos vemos lá!

(Via GizModo)

Não deixe de entrar no grupo de discussão da StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

E caso você tenha interesse em patrocinar eventos da StartSe, envie um e-mail para patrocinio@startse.com.br

[php snippet=5]