Supermercado contrata robô assistente e o demite uma semana depois

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

29 de janeiro de 2018 às 10:05 - Atualizado há 3 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Fabio foi o primeiro robô assistente a ser contratado na Escócia, mas foi demitido uma semana depois. Isso pois ele  começou a irritar os consumidores ao responder perguntas de maneira vaga – e mostrou que robôs assistentes precisam evoluir um po

O robô “ShopBot” foi desenvolvido na Heriot-Watt University e assumiu o trabalho em uma loja Margiotta, em Edimburgo. Quando Fabio chegou, teve uma boa recepção, dando high fives, abraços e recebendo os clientes com boas-vindas carinhosas.

Mas o encanto foi embora quando Fabio começou a responder suas perguntas. Ao ser perguntado onde estava a cerveja no supermercado, o robô respondeu “está na seção de álcool”. O problema é que o robô estava sendo muito literal e deixando de informar corretamente os clientes.

Além disso, Fabio enfrentou problemas ao se locomover pelo supermercado, para direcionar os clientes aos produtos desejados e também para ouvi-los, pois o ruído de fundo o atrapalhava.

Fabio acabou mudando de função: ao invés de ficar nos corredores, ajudando os clientes, passou a ajudar na amostragem. Mesmo assim, sua performance não foi boa – no tempo em que ele persuadia duas pessoas para provarem um snack de porco, seus colegas convenciam 12 pessoas. Não restou outra opção além de mandar Fabio embora.

E, quando isso aconteceu, Fabio perguntou a quem o demitiu: “você está bravo?”. Alguns funcionários se emocionaram com a cena, e pela falta que o robô faria – apesar do desempenho ruim. “Uma das coisas que não esperávamos é que as pessoas que trabalham na loja ficassem apegadas ao robô. Isso foi bom, porque pensávamos que aconteceria o oposto e eles se sentiriam ameaçados porque o robô estaria competindo por seus empregos”, disse o Dr. Olive Lemon, inventor do Fabio e diretor do Interaction Lab na universidade Heriot-Watt.

Para o Dr. Lemon, a experiência de Fabio não foi uma falha total. “Na verdade, os funcionários acreditaram que era uma melhoria, já que o robô era capaz de lidar com perguntas frequentes e tediosas, como os clientes sempre perguntando onde estavam as coisas”, disse.

Mas Luisa Margiotta, uma das gerentes da loja, tem uma opinião diferente. “Nossos colaboradores conhecem nossos clientes fiéis muito bem, e nós podemos ter conversas baseadas em nossas rotinas. Eu duvido que robôs possam substituir isso. É possível, eu acredito, que robôs possam nos ajudar em papéis como no estoque, mas eu duvido que eles eliminem a necessidade de interação humana”, finaliza.

De fato, a tecnologia nunca poderá substituir a interação humana, mas poderá diminuir a intensidade que precisaremos dela – o que nos permite deixar de realizar tarefas mecânicas e maçantes para nos concentrarmos em tarefas realmente importantes. Para saber como a tecnologia impactará em nossas vidas – através da inteligência artificial, realidade aumentada e virtual, por exemplo -, participe do evento que acontece amanhã: 2018 – A Revolução da Nova Economia.

(Via DailyMail)

[php snippet=5]