Japão estuda acabar com o dinheiro até 2020 e lançar “versão do Bitcoin”

Da Redação

Por Da Redação

27 de setembro de 2017 às 14:37 - Atualizado há 3 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 16 a 19/Nov, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Os bancos japoneses podem criar uma moeda digital própria, chamada de J-Coin, com a intenção de acabar com o uso de dinheiro vivo no país até 2020, ano em que os Jogos Olímpicos serão sediados em Tóquio. Esse plano tem a aprovação do Banco Central japonês, interessado em digitalizar as transações japonesas.

A J-Coin funcionaria da mesma forma que o Bitcoin, mas teria uma relação de troca de 1 para 1 em relação ao iene, a moeda do Japão. O país já é o maior mercado para Bitcoins no mundo – principalmente depois das recentes turbulências na China -, correspondendo a 50,75% do market share global da moeda.

O criador da moeda é o misterioso Satoshi Nakamoto, nome japonês. Mesmo assim, o Japão é uma sociedade que usa MUITO dinheiro: 70% de todas as transações são feitas em moeda corrente, o que é muito acima do patamar da maioria das economias desenvolvidas.

A nova moeda, porém, ainda não tem a sua infraestrutura disponibilizada. O Banco Central japonês entende e acredita no conceito do Blockchain, mas ainda não acha que ela está “madura” o suficiente para lidar com todas as transações da (gigante) economia japonesa.

A tecnologia de criptomoedas, porém, começa a se mostrar é o futuro da economia mundial. O Japão não é o primeiro país interessado a montar sua própria moeda – a Estônia também já demonstrou essa vontade. Vamos falar de tudo que está acontecendo no Bitcoin Conference, um evento com os melhores especialistas.

Conheça o Bitcoin Conference