Já que a Apple quer virar Google, o Google quer virar Apple

Da Redação

Por Da Redação

2 de fevereiro de 2016 às 11:45 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Que a Apple quer virar o Google, ninguém mais dúvida. A empresa está testando uma série de serviços, como transmissão de vídeo pelo internet ou algo parecido com o Spotify, que batem em como a gigante de buscas ganha dinheiro. A Apple, inclusive, teria um “plano secreto” para destruir o Google. Necessário, já que a Alphabet virou a empresa mais valiosa do mundo.

Então o Google quer fazer algo que Apple tem feito com sucesso – controlar totalmente a produção dos seus smartphones. Atualmente, o Google colabora muito na produção da linha Nexus, aqueles que possuem o Android puro instalado. Mas não é um controle total.

Atualmente, cada modelo é feito em parceria com uma fabricante de celulares. Eles enviam uma equipe para o Google e passam bastante tempo por lá desenvolvendo em conjunto o aparelho. O último, o Nexus 6P, é fabricado pela chinesa Huawei, por exemplo. E boa parte dos ganhos fica com a própria Huawei. É o jeito.

O que o Google quer? “Reduzir o modelo de parceria para um modelo em que as marcas apenas fabricam o aparelho, como a Apple faz com a Foxconn”, mostra o site The Information. Esse formato seria parecido com o do Pixel C, o tablet produzido pelo próprio Google.

O negócio pode não ser produtivo para as fabricantes (vão ganhar pouquíssimo dinheiro e não vão nem ter o seu nome no aparelho), mas algumas delas, como a HTC, podem topar por necessidade. Contudo, corre o risco de alienar a base de fabricantes do Android, como a compra da Motorola o fez alguns anos atrás.

No momento, as receitas de pesquisa do Google vem principalmente dos aparelhos iOS. Contudo, ao produzir ele mesmo um aparelho, a empresa pode criar um produto premium bom o suficiente para quebrar o quase-monopólio do iOS no segmento de alta renda. E já que a Apple tem a faca e o queijo na mão para prejudicar o Google, um movimento desses é necessário para sobreviver.