Inventor do primeiro celular destaca inovação que resolve “maior problema de smartphones”

Avatar

Por Lucas Bicudo

11 de Maio de 2016 às 13:36 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Marty Cooper, o inventor do primeiro aparelho móvel da história, diz que sua invenção tem uma falha grotesca: você tem que continuar recarregando a bateria de tempos em tempos.

“Ter que ficar sempre perto do seu carregador é realmente irritante”, disse Cooper em uma entrevista para a CNNMoney. “E eu acho que esse será um problema cada vez mais latente”.

Garantir que seu celular não morra por falta de bateria uma vez ao dia já pode ser considerado uma dor de cabeça relativamente desnecessária. Mas agora imagine em um futuro não tão distante, onde estaremos conectados da cabeça aos pés, com relógios, óculos e roupas inteligentes – todos esses com a necessidade de serem carregados.

“Será realmente estressante ter que tirar todos seus devices do corpo algumas vezes ao dia para colocá-los para carregar”, continua o engenheiro. “A não ser que seja desenvolvida uma tecnologia em que eles estejam carregando o tempo todo”.

Já existem algumas companhias que estão em busca dessa tal tecnologia citada por Cooper. No caso delas, a ideia em comum por detrás dos projetos é fazer com que todos os seus aparelhos sejam wireless e capazes de ser carregados continuamente e à distância. Ganhará essa corrida quem souber melhor capitalizar a oportunidade de inovação – que ocupa o posto central de qualquer empresa, de acordo com Gustavo Caetano, o “Mark Zuckerberg brasileiro”.

Se levarmos em conta o palpite do inventor do celular, quem vencerá a disputa é a Energous, que quer carregar seus aparelhos através de frequências de rádio. Cooper é membro da diretoria da companhia, cuja inovação pode transformá-la em uma gigante em breve.

A visão da Energous é palpável e convincente: ao converter as ondas de rádio em uma bateria de reposição, os aparelhos sem fio, que estarão equipados com receptores especiais, serão capazes de literalmente puxar energia do ar, permitindo-lhes recarregar enquanto estão guardados em sua bolsa, bolso ou onde quer que estejam.

E não é suposição teórica ou ficção científica. A Energous irá anunciar na próxima segunda-feira (16) a aprovação do FCC – órgão regulador similar a Anatel – para seu WattUp transmissor em miniatura, capaz de alimentar a energia de aparelhos auditivos, dispositivos médicos e outros gadgets wireless de pequeno porte.

“A Energous está um passo a frente das demais, no que diz respeito a operacionalização da missão da empresa em apresentar aparelhos que serão capazes de serem recarregados sem a necessidade de nenhum fio”, completa Cooper.

A expectativa é que a tecnologia se expanda para aparelhos de médio porte e larga escala em 2017 ou 2018.

Se você quer saber mais sobre inovação e como isso pode definir o seu negócio, dê uma olhada no hangout com Samir Iasbeck, fundador do Qranio, eleito o melhor aplicativo da América Latina pelo Facebook, sobre como criar uma startup altamente inovadora.