“Há algo secular acontecendo”, diz Geoff Ralston sobre Bitcoin e Blockchain

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

27 de outubro de 2017 às 14:48 - Atualizado há 3 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

“Não é fogo de palha, é uma mudança na maneira como pensamos no mercado financeiro e no uso do dinheiro que trará diferença – mas ninguém sabe exatamente como ainda”, disse Geoff Ralson em entrevista para a StartSe. O sócio da Y Combinator, em passagem no Brasil, também discutiu sobre o ecossistema de startups do país aqui.

Para Geoff Ralston, ainda não há um caminho óbvio de como as criptomoedas serão usadas para diferenciarem-se das moedas tradicionais já existentes em forma digital. “Parece que o Bitcoin será um forma de guardar valor mais parecida com o ouro do que com moedas convencionais, porque possui um número limitado”, afirma.

O investidor avalia o blockchain – sistema de transações utilizados pelas criptomoedas – como fundamental e uma maneira de pessoas fazerem smart contracts (contratos inteligentes) no futuro. Os contratos inteligentes, criados na criptomoeda Ethereum, permite que as regras de contratos sejam aplicadas por si só, como autoreguladoras, de forma descentralizada e inalterável.

A Y Combinator mostrou seu suporte às criptomoedas acelerando a Coinbase, agora uma exchange bem-sucedida, em 2012. Dessa época até então, a aceleradora recebe diversas inscrições envolvendo este mundo, algumas trazendo soluções inovadoras com blockchain em segmentos variados como medicina, finanças e e-commerces.

As moedas criptografadas também estão presentes nas inscrições por startups que pretendem realizar ICOs – oferta inicial de moeda. “Pessoas estão levantando mais dinheiro com ICOs no último trimestre do que com venture capital”, afirma. Ele acredita que isso dá abertura para fraudes e, consequentemente, grande perda de dinheiro. É por isto que há medidas reguladoras em vários países, como no Japão. “Como isso funcionará a longo prazo, eu não sei”, ele conclui.

Novas tecnologias envolvendo o sistema surgem todos os dias, trazendo o interesse de grandes empresas como a IBM. De fato, o futuro das criptomoedas e blockchain ainda não está totalmente traçado e há um longo caminho de adequação pela frente. Mas uma coisa não podemos negar: a alta de mais de 300% do Bitcoin neste ano sugere que podemos esperar muitas mudanças pela frente.

Para presenciar e discutir essas mudanças com os maiores especialistas do Brasil em criptomoedas, participe da Bitcoin Conference da StartSe que acontecerá no início novembro. Ele será dividido em três partes: bitcoins, blockchain e outras criptomoedas – virando um evento imperdível para quem quer se envolver com a moeda. Clique aqui e conheça a programação.