Google está, secretamente, reinventando o e-mail (e é sensacional)

Google já se preocupa com o que serão as plataformas de e-mail daqui uma década

Avatar

Por Lucas Bicudo

2 de março de 2016 às 15:46 - Atualizado há 4 anos

Vivemos em um momento em que se comunicar online nunca foi tão fácil. Existem milhares de plataformas que suprem essa necessidade e, ainda assim, milhões de pessoas insistem em um mecanismo que é relativamente primitivo para a internet: o e-mail.

Você pode usar o Slack para conversar com colegas de trabalho e o Facebook Messenger para trocar aquela figurinha com seus amigos, mas de uma forma ou de outra, é meio que inevitável que, pelo menos uma vez por dia, você cheque seus e-mails.

Também não há falta de aplicativos que organizem sua caixa de entrada, todos temos que concordar. Cada um é construído para um tipo de perfil de consumidor e esse mercado anda bem. Entretanto, com o novo Inbox by Gmail, podemos observar a ambição do Google em repensar todo o conceito de e-mail que será vigente em todos os escritórios daqui uma década, mostra o TechInsider.

O novo modelo de e-mail possui todas as funcionalidades que um usuário do Gmail espera, como a habilidade de marcar mensagens, movê-las para pastas e deletar mais de uma de uma vez só. Entretanto, a grande novidade está no fato de que a plataforma servirá ao Google como campo de testes para desenvolver melhor sua inteligência artificial – ou como é internamente chamada “machine learning”.

A companhia usa o machine learning para mapear todas as funcionalidades de um serviço de e-mail comum, desde como ele classifica os resultados de sua pesquisa, até a forma como ele filtra a enxurrada de spams que entram em seu campo de visão.

Além disso, ele analisa o conteúdo de cada mensagem e é capaz, através da tecnologia Smart Reply, de sugerir três possíveis respostas que poderiam encaixar-se consideravelmente na conversa que estaria rolando.

E esse é o tipo de coisa que envolve muito ceticismo ao redor. Será que funcionará de maneira eficiente? Bom, a magia acontece quando você descobre que sim. Estamos falando do desenvolvimento de uma inteligência artificial do Google, maior companhia da atualidade e que já está investindo em mercados futuros.

“Eu não tinha certeza que esse tipo de mecanismo era possível de ser desenvolvido”, conta Greg Corrado, pesquisador sênior do projeto Smart Reply, ao TechInsider. “Mas era nosso compromisso ao menos tentar, uma vez que era uma oportunidade incrível”.

Quando você abre uma mensagem no Inbox, computadores do Google resumem parte de um texto em uma máquina capaz de vetorizar uma análise de “intenções e sentimentos” de seu remetente, assim possibilitando que gere respostas compatíveis ao que lhe foi proposto.

“Nós realmente queríamos construir algo simples e palpável, mas que não dissesse a mesma coisa de três maneiras diferentes” continua Corrado.

O curso natural do projeto Smart Reply é que ele, eventualmente, seja capaz de criar respostas mais longas do que as de apenas uma linha, até mesmo conversas completas. Poderia o mecanismo um dia analisar todo o contexto de uma conversa e gerar parágrafos de respostas para você, condizentes ao seu histórico com aquele determinado remetente? Quando questionado, o pesquisador foi cauteloso:

“Eu acho que se nós fossemos capazes de construir um sistema desses, nós conseguiríamos finalmente passar no teste de Turing”, diz referenciando ao teste desenvolvido por Alan Turing na década de 50, onde seria capaz de determinar se um computador poderia se comunicar como um ser humano sem dar na cara de que é um computador. “Nós ainda não estamos nesse nível, marcharemos para isso”.

Por enquanto o projeto ainda anda à passos de bebê – mas que dá um frio na barriga, dá, diante de tantas possibilidades de otimização e inteligência artificial trabalhando para você no futuro do que serão as plataformas de e-mail.