Garoto de 13 anos cria uma alternativa mais eficiente ao bafômetro

Avatar

Por Júlia Miozzo

7 de outubro de 2015 às 12:45 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

SÃO PAULO – Um norte-americano de apenas 13 anos criou um dispositivo que é capaz de dizer se o motorista de um veículo consumiu álcool ou usou outras drogas com base na dilatação de suas pupilas. Segundo informações do Business Insider, Krishna Reddy é um dos 10 finalistas na competição Discovery Education 3M Young Scientist Challenge, que escolhe o America’s Top Young Scientist – o melhor cientista jovem da América – e o premia com US$ 250 mil.

Atualmente, é através do bafômetro que as autoridades conseguem descobrir, com uma amostra da respiração do motorista, o quanto de álcool este consumiu – mas não detecta a presença de outras drogas. E dependem do consentimento do motorista para fazer o teste.

Mas como detectar drogas através das pupilas de alguém? As pupilas se contraem para filtrar a quantidade de luz que entra nos olhos – ou seja: quando olhamos para algo mais iluminado, ficam menores; quando o ambiente fica mais escuro, elas se dilatam. E a presença de drogas no organismo é refletida nas pupilas: álcool e opióides, por exemplo, fazem com que as pupilas se contraiam, enquanto LSD, cogumelos e cocaína fazem com que elas se dilatem.

Levando esses fenômenos em conta, o jovem criou um dispositivo que contém uma câmera digital, uma lanterna e um rolo de papel higiênico. A luz é direcionada aos olhos do usuário através do rolo e a câmera faz um vídeo das pupilas conforme elas se contraem. E então, usando um software que o próprio garoto criou, o dispositivo e um computador medem a compressão da pupila quando a luz foi direcionada a ela.

Até então, ele pode ser usado para dizer se alguém bebeu, fumou maconha, ou se usou algum analgésico, remédio para dormir ou anfetamina.

Em um vídeo, o jovem explicou que o aparelho tem maior garantia do que a observação a olho nu pois o reflexo das pupilas acontece em uma escala de milímetros e milissegundos.