Ford estabelece 5 pilares para não ser destruída pela Tesla e pelo Uber

A empresa prepara uma transição para um momento em que ela não vai estar mais apenas montando os carros, e sim transportando as pessoas

Avatar

Por Da Redação

9 de novembro de 2017 às 15:46 - Atualizado há 2 anos

Não é segredo nenhum que a Ford quer deixar de ser uma mera montadora de automóveis para se transformar em uma “empresa de mobilidade” nos próximos anos. Ela sabe que está ameaçada por grandes startups que surgiram nos últimos anos: a Tesla e o Uber, companhias que podem quebrar todo o modelo de aquisição de carros como conhecemos atualmente.

A empresa prepara uma transição para um momento em que ela não vai estar mais apenas montando os carros, e sim transportando as pessoas – como o Uber. A empresa sonha com um futuro em que ela tenha vários carros autônomos andando pelas ruas das cidades movimentando as pessoas e gerando renda para a Ford.

Durante o update estratégico deste trimestre, a Ford definiu 5 pilares para conseguir sobreviver a essa nova era:

1 – A Ford vai se preparar para a disrupção ao se tornar apto a essa nova era: resetando as receitas e atacando custos

2 – A Ford vai continuar no segmento de veículos, movendo pessoas e cargas

3 – Os veículos serão inteligentes e conectados

4 – Esses veículos vão operar em um novo sistema de transporte

5 – A Ford quer evoluir para capitalizar em novas oportunidades de negócio dentro deste novo sistema de transporte

Ela também afirma em um “novo modelo industrial para as próximas gerações de veículos”, reduzindo o crescimento de seus custos industriais em até 50%. A empresa pretende ter economias de US$ 14 bilhões: US$ 4 bilhões em engenharia de produto e US$ 10 bilhões em custos de materiais.

A empresa pretende redesenhar suas operações no médio prazo. Uma prova disso é que ela pretende diminuir a complexidade dos produtos: das 35.000 diferentes combinações de Ford Fusion (sim, não é um erro de digitação), a empresa pretende ter apenas 96 combinações do carro. Isso deverá criar um ambiente mais eficiente, com queda de 20% no desenvolvimento de novos produtos e 25% nos produtos. Essa nova indústria deverá ser muito mais rápido, menores e muito mais próximas dos consumidores.

A empresa pretende focar muito em carros elétricos de agora em diante, ressaltando que eles devem ser muito mais econômicos. Além disso, eles também serão autônomos, com uma grande quantidade de carros nas ruas independentes “se movendo conforme o ritmo da cidade”, ajudando as pessoas a chegarem em seus destinos facilmente.

Os carros terão uma quantidade elevada de sensores para se comunicar integralmente com a cidade, totalmente conectada através da Internet das Coisas. A ideia é já ter uma frota de carros conectados até 2020, com 90% de todos os carros vendidos já possuindo os sensores para se conectar à Internet das Coisas.

A Ford quer fazer uma transição com sucesso para a Nova Economia. Será um futuro com mais tecnologia e que as pessoas estarão mais preocupadas em contratar serviços do que em ter a propriedade de coisas – o próprio carro vai virar um serviço. Preparamos o curso mais completo do Brasil a respeito da Nova Economia. Clique aqui e conheça.