Facebook lança serviço mundial de vídeo para concorrer com o Youtube

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

29 de agosto de 2018 às 15:05 - Atualizado há 2 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

O Facebook lançou, nesta quarta-feira (29), o “Facebook Watch”, uma plataforma dentro da própria rede social voltada especificamente para vídeos. Nela, os usuários poderão encontrar tanto os vídeos mais acessados de diversos segmentos quanto conteúdos publicados por páginas de interesse. A ferramenta existe há um ano nos Estados Unidos e hoje está sendo lançada globalmente.

Apesar da alta relevância que os vídeos possuem na timeline do Facebook, a rede social não é o local mais procurado pelos usuários que desejam assistir vídeos. Com o lançamento da plataforma global, o Facebook quer mudar isso – e agora passará a concorrer diretamente com o Youtube.

Para ganhar força nesse mercado, a rede social está realizando investimentos e buscando benefícios aos usuários: produtores de vídeos dos Estados Unidos, Irlanda, Austrália e Nova Zelândia poderão receber uma porcentagem da receita de publicidade em seus vídeos se estes se tornarem populares no Watch, segundo a Bloomberg.

Para participar do programa de monetização da plataforma, é preciso que a página (ou o usuário) tenha pelo menos 10 mil seguidores ou que, no mínimo, 30 mil pessoas vejam seu vídeo durante um minuto. A rede social ainda pretende investir US$ 2 bilhões em novos conteúdos para o Watch, de acordo com o Engadget.

O Facebook Watch já está disponível nos cinco países nos quais é possível monetizar vídeos atualmente – EUA, Irlanda, Austrália e Nova Zelândia -, mas outros 21 países deverão receber a novidade no mês que vem, inclusive o Brasil. De acordo com a rede social, esses países também contarão com o programa de monetização nos vídeos.

Como no concorrente do Google, uma das principais fontes de receita do Facebook Watch serão as propagandas. Por isso, a rede social está tomando medidas para que estas não sejam veiculadas em vídeos com conteúdo violento ou ofensivo. A medida será válida inclusive em vídeos que não estão em inglês, contornando a barreira de linguagem que costuma atrapalhar nessa iniciativa.

“Todas essas ferramentas estarão disponíveis em outras línguas e essa é uma das razões para fazermos isso agora (lançar a plataforma)”, disse Fidji Simo, vice-presidente de produto encarregado do Watch à Bloomberg. “Nós queríamos ter certeza que estávamos oferecendo todos esses controles”.

O número de usuários que assistem vídeos no Watch é crescente desde o lançamento da plataforma, há um ano atrás. Segundo dados do Facebook, mais de 50 milhões de pessoas nos Estados Unidos assistem ao menos um minuto de vídeo no Watch todos os meses. Além disso, os usuários também estão passando mais tempo na plataforma – o tempo de visualização dos espectadores cresceu 14x desde o início deste ano.