É muito provável que no próximo século milhares de línguas morrerão

Avatar

Por Lucas Bicudo

15 de março de 2016 às 09:41 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

No próximo século, milhares de línguas morrerão. É difícil prever exatamente quantas delas serão, mas os linguistas possuem uma estimativa de 50-90% de todas as 6.000 existentes no mundo atualmente.

Às vezes possuímos a situação de uma comunidade sumir, mas é muito mais comum – como o caso que citaremos aqui – que uma comunidade simplesmente adapte sua língua para uma nova. Lenore Grenoble, um linguista da Universidade de Chicago, disse ao site Tech Insider que “as razões pelas quais uma língua é alterada em uma determinada comunidade podem ser complexas, mas conseguimos colocar urbanização como um grande fator”.

À medida que mais pessoas se mudam para as grandes cidades, a tendência é que elas larguem suas línguas natais para se adaptarem à outras linguagens mais frequente e comumente faladas – caso do inglês.

Mesmo com esse cenário em nossa frente, há algumas maneiras de, se não salvar, pelo menos preservar ou prolongar a vida de algumas dessas línguas destinadas a morrer. A internet é uma solução para preservar a diversidade linguística.

“Um jeito de as línguas perdurarem por muito mais tempo é que elas sejam usadas e que exista um lugar capaz de armazená-las”, continua Grenoble. “Com essa descrição, estamos falando exatamente da internet”.

De fato, não existe tempo melhor para falar qualquer tipo de língua e, principalmente, ser ouvido nos dias de hoje. Ao contrário de outras mídias, como a televisão e o rádio, custa muito pouco comunicar pela internet. Tudo que você precisa é um smartphone, uma conexão e uma conta no Twitter para ser capaz de atingir uma audiência global.

As chances não são animadoras, entretanto. Estamos falando apenas de medidas que possam ser minimamente preventivas para línguas mais comuns. Pense que na Papua Nova Guiné existem 800 linguagens diferentes, faladas por menos de 1.000 pessoas, que provavelmente não possuem acesso ao Twitter para prorrogar esse tipo de dialeto bem específico.